China lança campanha para controlar serviço de mensagens móveis

  • Por Agencia EFE
  • 28/05/2014 06h36

Pequim, 28 mai (EFE).- O governo chinês iniciou nesta quarta-feira uma campanha de controle sobre o Wechat, serviço líder de mensagens móveis na China com mais de 800 milhões de usuários, em uma nova ação para restringir a livre expressão online.

O Wechat é semelhante ao Whatsapp, e se transformou em uma das vias de comunicação mais populares entre os chineses, mas também uma fonte de notícias, dadas as funções que oferece ao usuário como uma espécie de Facebook integrado, diante da forte censura que pesam sobre outros meios.

“Algumas pessoas usam este serviço para distribuir informação ilegal e caluniosa, prejudicando gravemente o interesse público e a ordem no ciberespaço”, o que motivou esta nova campanha, explicou o Escritório Estatal de Informação da Internet da China.

A campanha, que durará um mês, será focada nas contas públicas que podem divulgar informação “em grande escala” e mobilizar seguidores, e na publicação de “rumores e informação relacionada à violência, ao terrorismo e à pornografia”, além de alertas sobre fraudes.

O órgão indicou que “lutará firmemente contra a infiltração de forças hostis estrangeiras e locais”.

O país asiático sofreu uma série de atentados e massacres nos últimos meses, como o ataque com explosivos que matou 39 pessoas na quinta-feira em um movimentado mercado de Urumqi, capital da região de Xinjiang.

Esta última decisão das autoridades se soma ao fechamento de dúzias de fóruns de conteúdo social e político na internet em março, que eram acessados via Wechat.

Ao controle sobre o Wechat se acrescenta a cada vez mais ferrenha censura ao Weibo, rede social onde os chineses se expressavam com mais liberdade até ano passado, quando o governo modificou a lei com penas de até três anos de prisão para quem publicasse “rumores” amplamente (vistos por cinco mil pessoas ou reenviados mais de 500 vezes).

Após anunciar essa reforma em setembro, o executivo chinês condenou a três anos de prisão em abril a primeira pessoa julgada pelos comentários feitos no Weibo, diversas críticas ao Ministério de Ferrovias, instituição eliminada em 2013 após se ver envolvida em uma série de escândalos de corrupção e subornos. EFE