Colômbia espera que chegada do Itaú Unibanco aumente competitividade no setor

  • Por Agencia EFE
  • 29/01/2014 16h37

Bogotá, 29 jan (EFE).- O ministro da Fazenda da Colômbia, Mauricio Cárdenas, comemorou nesta quarta-feira a chegada ao país do Itaú Unibanco porque, em sua opinião, a concorrência barateará os custos dos serviços financeiros.

O Itaú Unibanco, maior banco privado do Brasil, anunciou hoje em São Paulo a fusão de sua subsidiária no Chile com o chileno CorpBanca, operação que também lhe permitirá acesso a mercados na Colômbia, no Peru e na América Central.

“Para a Colômbia é saudável que haja novos atores, que haja novos bancos, e sobretudo, intermediários com capacidade de trazer mais concorrência ao setor financeiro na Colômbia”, declarou Cárdenas a jornalistas.

O ministro destacou que o Itaú Unibanco conta com uma grande pasta de clientes em nível mundial e isso será benéfico para o mercado colombiano.

“Damos as boas-vindas com o desejo e o interesse que chegue, não só o maior banco da América Latina, mas um banco que ponha uma dose adicional de concorrência no sistema financeiro, para que tenhamos créditos mais baratos, serviços financeiros mais econômicos”, ressaltou.

O banco resultante da fusão anunciada hoje, o Itaú CorpBanca, terá como sócios majoritários o Itaú Unibanco (33,58%) e o Corp Group, controlador do CorpBanca (32,92%), segundo o comunicado enviado pela entidade brasileira à Bolsa de Valores de São Paulo.

A operação prevê inicialmente uma capitalização de US$ 652 milhões do Banco Itaú Chile e posteriormente a integração das operações do Itaú BBA Colômbia com as duas subsidiárias do CorpBanca neste país.

Da mesma forma, a entidade reforçará sua presença no mercado colombiano como um dos acionistas do CorpBanca Colômbia e do Helm Bank, que são controlados pelo CorpBanca chileno e cuja possível fusão os transformaria no quinto maior banco colombiano em créditos.

O Corpbanca chegou à Colômbia em 2012 por meio da aquisição das operações do Banco Santander no país. EFE