Dilma recebe empresários no Planalto e inaugura nova forma de guardar luto

  • Por Jovem Pan
  • 15/08/2014 14h02
Dilma recebe Eduardo Campos no Palácio do Planalto para construção de barragem em 2011 Folhapress Dilma recebe Eduardo Campos no Palácio do Planalto para construção de barragem em 2011

Ontem, a presidente Dilma Rousseff recebeu doadores de campanha no palácio do planalto em audiência. Ela havia anunciado que paralisaria a campanha por três dias após a morte de Eduardo Campos.

Sempre há uma explicação nesses casos. Ao receber os empresários, a explicação foi que o assunto tratado era um tema relacionado a investimento das empresas no país, algo do interesse do Brasil.

Ela encontrou tempo para receber Joesley Batista, que é presidente do conselho de administração do Grupo JBS, dono da marca Friboi. E também encontrou tempo para falar com Lázaro Brandão e Luiz Carlos Trabuco, que são os dirigentes do banco Bradesco.

O que esses grupos têm em comum? Muito simples, são enormes doadores de campanha durante processos eleitorais. Em 2014, a JBS Friboi fez doações totais de mais de 50 milhões de reais para partidos políticos brasileiros, sendo que 5 milhões de reais exclusivamente para Dilma fazer camapanha eleitoral.

O Bradesco ainda não fez doacões para políticos este ano. Só que em 2010, o banco fez uma doação de 14 milhões de reais, dos quais 2,1 milhões de reais para o PT de Dilma Rousseff.

Ao receber esses presidentes ontem, ela inaugurou uma nova forma de guardar luto e suspender a campanha eleitoral. Mostrou que, nesses casos, sempre há exceções quando os visitantes são empresários ilustres.