Direção de hospital afasta jornalistas para manter privacidade de Schumacher

  • Por Agencia EFE
  • 02/01/2014 15h59

Berlim, 1 jan (EFE).- O hospital universitário de Grenoble, na França, onde está internado o heptacampeão mundial de Fórmula 1, Michael Schumacher, retirou nesta quarta-feira os jornalistas que se abarrotavam na porta de entrada, após insistentes pedidos de respeito pela privacidade do ex-piloto.

A direção da unidade resolveu transferir não apenas os profissionais, mas também seus equipamentos, como caminhões de transmissão, para outro local. A justificativa é que a chegada de mais equipes dificultava o desenvolvimento das atividades normais do hospital.

No setor onde está internado Schumacher foi instalado um dispositivo especial de segurança, que só permite acesso a parentes ou pessoas próximas ao alemão. Ontem, foi revelado que um jornalista tentou invadir o hospital disfarçado de padre.

Diariamente, a equipe médica que acompanha o alemão, e depois sua empresária, Sabine Kehm, concedem entrevistas coletivas para falar do estado de saúde do ex-piloto, o que provoca grande agitação no hospital.

Hoje, a representante do piloto, revelou a “boa notícia”, como ela mesmo classificou, de que o estado do ex-piloto tenha se mantido estável durante a noite de ontem e a manhã desta quarta-feira. Sabine também afirmou que não será organizada uma nova entrevista coletiva a menos que haja uma evolução.

A expectativa é que nesta sexta-feira aumente ainda mais o número de jornalistas no local, já que é o dia em que Schumacher completará 45 anos. A expectativa é pela presença de algumas celebridades do automobilismo, e envio de mensagens de apoio ao ex-piloto.

Schumacher se acidentou no último domingo enquanto esquiava na estação de Méribel, nos Alpes franceses. Com a violência do choque com uma pedra, o capacete do alemão se rompeu e ele sofreu um traumatismo craniano. Desde então, passou por duas neurocirurgias. Seu estado de saúde ainda é considerado crítico. EFE

gc-ac/bg