Ex-vice-presidente da Guatemala é transferida para prisão comum

  • Por Agencia EFE
  • 03/09/2015 03h59

Cidade da Guatemala, 2 set (EFE).- A ex-vice-presidente da Guatemala, Roxana Baldetti, acusada de liderar uma rede de corrupção junto com o presidente, Otto Pérez Molina, foi transferida nesta quarta-feira para um centro de detenção de presas comuns.

Baldetti, que está em prisão preventiva desde o último dia 21 de agosto, foi transferida hoje do quartel militar Matamoros à prisão de Santa Teresa, em cumprimento de uma ordem ditada pelo juiz a cargo do caso, Miguel Ángel Gálvez.

A defesa de Baldetti solicitou a suspensão da transferência argumentando que sua vida corre risco, mas este recurso foi rejeitado.

Durante a passagem da comitiva policial que transferiu Baldetti, os cidadãos lançaram fogos para celebrar o ingresso da ex-vice-presidente na prisão comum, segundo informou a imprensa local.

Baldetti renunciou no último dia 8 de maio depois que seu secretário particular, Juan Carlos Monzón Rojas, foi assinalado em 16 de abril como o principal líder de uma milionária rede de corrupção dentro do ente arrecadador de impostos do país.

Rojas está foragido desde 16 de abril, dia no qual se encontrava com Baldetti na Coreia do Sul acompanhado a então vice-presidente em uma palestra acadêmica.

De acordo com a investigação do Ministério Público e da Comissão Internacional Contra a Impunidade na Guatemala (CICIG), Baldetti e o presidente Otto Pérez Molina eram os verdadeiros comandantes da organização criminosa, que supostamente se apossou de quantias milionárias.

Baldetti está sendo acusada de suborno passivo, formação de quadrilha e defraudação aduaneira.

O juiz Gálvez programou para dezembro a próxima audiência contra a ex-vice-presidente, na qual se determinará se o caso irá a debate oral e público.

Por sua vez, o Congresso da Guatemala decidiu retirar ontem a imunidade do presidente Pérez Molina para que também possa ser investigado por corrupção. EFE