Felipe Moura Brasil: Bolsonaro dá voz ao povo conservador

  • Por Felipe Moura Brasil/Jovem Pan
  • 10/10/2018 10h44
Wilton Junior/Estadão ConteúdoBolsonaro consegue transformar em onda a seu favor o conservadorismo pré-existente na sociedade brasileira

Os setores espantados da imprensa têm chamado de onda conservadora ou até avalanche conservadora o crescimento do eleitorado de Jair Bolsonaro.

É uma imprecisão, obviamente.

O que existe neste momento é uma onda bolsonarista em razão do fato, entre outros, de Bolsonaro defender determinadas posições conservadoras que a maioria do povo já tinha, de acordo com os próprios institutos de pesquisa respeitados pela imprensa.

Em 2012, o Datafolha mostrou que 83% dos brasileiros são contra a legalização das drogas. Em 2014, o Ibope mostrou que 79% são contra a legalização até da maconha.

Em 2010 e 2016, o Ibope também mostrou que 78% são contra o aborto.

Em 2016, o Ibope mostrou ainda que 78% são a favor da redução da maioridade penal e que 78% são a favor de prisão perpétua para quem comete crimes hediondos.

Esses dois números ainda haviam aumentado 12 e 15 pontos, respectivamente, em relação a 2010, mostrando que o aumento da criminalidade no país só fazia crescer no povo a demanda por punições mais duras aos criminosos.

O projeto de Bolsonaro de virar presidente começou, portanto, neste cenário até então ignorado pela maioria dos políticos, que não vocalizavam o sentimento popular nem representavam suas ideias, geralmente consideradas retrógradas pela imprensa.

Bolsonaro é contra a legalização das drogas, contra o aborto, a favor da redução da maioridade penal e de penas mais duras aos criminosos, incluindo corruptos como Lula, presos graças à Lava Jato, operação que só potencializou a demanda por ordem.

“Vamos entupir a cadeia de bandidos”, disse Bolsonaro ontem à Jovem Pan, enquanto o poste de Lula, Fernando Haddad, prega em vídeo que circula nas redes sociais o desencarceramento de criminosos que cometeram pequenos delitos – como se, aliás, não defendesse também a soltura de um criminoso que cometeu o enorme delito de receber propina do maior esquema de corrupção da história do país e que hoje comanda sua campanha da prisão em Curitiba.

Bolsonaro comentou no Twitter:

“Meu adversário falou que vai combater o encarceramento e soltar criminosos da cadeia. Nossa preocupação e prioridade são as pessoas de bem. Falo desde sempre, prefiro uma cadeia lotada de criminosos do que um cemitério lotado de inocentes. Se faltar espaço, a gente constrói mais!”

É assim que Bolsonaro consegue transformar em onda a seu favor o conservadorismo pré-existente na sociedade brasileira.