Felipe Moura Brasil: Compromisso de Haddad é com a hipocrisia

  • Por Felipe Moura Brasil/Jovem Pan
  • 17/10/2018 09h32
Renato S. Cerqueira/Estadão ConteúdoDepois de chamar Edir Macedo de “charlatão fundamentalista”, Haddad agora está fazendo uma cartinha de compromissos para tentar atrair o voto dos evangélicos

Fernando Haddad vem explorando em sua propaganda de TV notícias de supostas agressões atribuídas a apoiadores de Jair Bolsonaro, mas diante do fato concreto de que um esquerdista assumido, ex-filiado ao PSOL por 7 anos e apoiador de Lula na internet, esfaqueou Bolsonaro, limitou-se na Jovem Pan a chamar o esfaqueador de “maluco”.

O duplo padrão de Haddad também se repetiu quando ele tentou fazer uma distinção entre o apoio de Edir Macedo a Lula no passado e a Bolsonaro no presente.

“Uma coisa é você escolher um candidato para te representar. Outra coisa é você fazer de uma candidatura um instrumento para você chegar ao poder.”

Ninguém precisa adorar a Igreja Universal para notar que Haddad apenas resmunga contra o apoio outrora bem-vindo ao PT, mas que o partido perdeu para seu adversário.

Depois de chamar Edir Macedo de “charlatão fundamentalista”, Haddad agora está fazendo uma cartinha de compromissos para tentar atrair o voto dos evangélicos.

O poste do presidiário Lula promete, caso eleito, não enviar à Câmara dos Deputados nenhum projeto para legalizar o aborto. Acontece que ele não precisa fazer isso.

Basta indicar para vagas a serem abertas no STF um defensor dessa legalização, como fez o primeiro poste de Lula, Dilma Rousseff, em 2013, ao nomear o advogado da causa de liberação do aborto de fetos anencéfalos, Luís Roberto Barroso, mesmo tendo dito a evangélicos a quatro dias das eleições de 2010 ser contra “modificar a legislação”.

Desde então, Barroso dá canetadas sobre o tema, como o voto vencedor na Primeira Turma em 2016 pela revogação da prisão preventiva de cinco funcionários de uma clínica clandestina e a declaração de que a prática não é crime até três meses de gestação.

Confiar em promessas de Haddad, sobretudo no campo dos costumes, agora que ele posa de conservador para reverter votos de Bolsonaro, é como confiar em outra Dilma – aquela que, ao menos, deixou escapar que o PT faz o diabo na hora da eleição.

O cinismo eleitoral do partido se tornou tão evidente que até o antigo aliado Cid Gomes, irmão de Ciro, falou que os petistas “têm que pedir desculpas, têm que ter humildade, têm que reconhecer que fizeram muita besteira”.

Mas se o PT não reconhece nem sequer as besteiras, que dirá a lista de crimes de seus membros, a começar pelos do comandante máximo. A frase de Cid diante das reações negativas da plateia de lulistas, “O Lula está preso, bacaca”, virou hashtag, foi reproduzida pela propaganda de Bolsonaro e fez a festa de seus apoiadores nas redes sociais, porque é um choque interno de realidade em uma campanha que vive fora dela.