O que importa nas pesquisas são os detalhes

  • Por Felipe Moura Brasil/Jovem Pan
  • 23/08/2018 09h33 - Atualizado em 23/08/2018 09h48
PixabaySe algo importa nas pesquisas, são os detalhes. Por exemplo: João Amoêdo chegou a 2% no Datafolha

As pesquisas com Lula não valem, porque o corrupto e lavador de dinheiro condenado em segunda instância será afastado da disputa eleitoral pelo TSE.

As pesquisas sem Lula também não valem, porque Fernando Haddad, que tem 4% dos votos, ainda poderá crescer durante a campanha, com o apoio do presidiário inelegível.

Se algo importa nas pesquisas, são os detalhes. Por exemplo: João Amoêdo chegou a 2% no Datafolha. Está tecnicamente empatado com Haddad.

Se o presidenciável do Partido Novo pudesse participar dos debates de TV, como vem cobrando nas redes sociais, provavelmente também teria mais do que isso.

Mas a legenda fundada em 2011 ainda não tem o mínimo de 5 parlamentares no Congresso que obriga as emissoras a convidarem o candidato.

Diante da manchete de um portal que destacou Amoêdo como o primeiro nanico a crescer em pesquisa eleitoral, ele escreveu no Twitter que “o Novo não é um partido nanico. É um partido jovem.”

Já Guilherme Boulos, presidenciável do PSOL, partido socialista fundado em 2004, ficou com apenas 1% no Datafolha. O detalhe é que, em matéria de faixa de renda e de escolaridade, o líder do MTST só sai de 1% para 2% na pesquisa entre eleitores com mais de 10 salários mínimos e entre aqueles com ensino superior.

Ou seja: Boulos fala em nome dos pobres e não escolarizados, mas só cresce entre os ricos e escolarizados. Isso não é lá uma novidade no PSOL.

Em 2016, o deputado estadual Marcelo Freixo perdeu para Marcelo Crivella, do PRB, a disputa pela Prefeitura do Rio de Janeiro, mas venceu especialmente em zonas eleitorais da área nobre da cidade – a Zona Sul.

Boulos é da escola Freixo de candidatos socialistas.

E seus ataques em debates de TV, pelo visto, não surtiram efeito algum.