Notícia de que Meirelles recebeu R$ 217 mi fora do País causa estranheza

  • Por Jovem Pan
  • 27/07/2017 10h24
"A grande questão é que isso causa estranheza. Se o Brasil fosse um país sério, isso levaria a um pedido de demissão do ministro", diz Villa

O atual ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, passou boa parte da vida profissional nos Estados Unidos, mas resolveu fazer política em 2002. Gastou uma fortuna em campanha. De deputado federal, talvez tenha sido a mais cara da história de Goiás, mas ele não permaneceu um dia no cargo.

Ao começar o Governo Lula, ele tinha aceitado, em dezembro, o convite para ser presidente do Banco Central.

É estranho gastar uma fortuna, ser eleito e não aparecer um dia.

Em 2010, Meirelles voltou ao campo privado. Participou do Conselho Diretivo da JBS, do Banco Original e deve ter orientado os caipiras do Grupo JBS.

E é estranha a notícia de que Meirelles lucrou R$ 217 milhões com a firma de consultoria, e a maior parte do dinheiro foi paga em contas fora do País. Segundo o ministro, foi tudo declarado. A grande questão é que isso causa estranheza. Se o Brasil fosse um país sério, isso levaria a um pedido de demissão do ministro.

Jornais dizem que o mercado não se abalou. Quem é o mercado? Queria conhecer. O sonho do mercado é que fôssemos uma ditadura. Mercado não tem ética, não tem moral. O mercado só quer saber de lucro.

Assista ao comentário completo de Marco Antonio Villa: