“Ninguém gosta”, diz presidente da ANATEL quando ligação de celular cai

  • Por Jovem Pan
  • 02/01/2017 14h46 - Atualizado em 06/07/2017 18h28
Juarez Quadros - Ag. Senado

O presidente da Anatel admitiu que também passa por um sofrimento bem comum entre os usuários de telefonia móvel, mas não fica irritado. No programa Radioatividade, Juarez Quadros relativizou os problemas com a distribuição de sinal e reconheceu que ninguém gosta quando uma ligação cai.

Uma solução poderia ser um novo modelo de concessão onde o Governo abra mão de uma vantagem econômica para privilegiar também a cobertura do sinal. Segundo o presidente da agência, essa mudança pode ocorrer em breve com a sanção das mudanças no texto do marco legal do setor de telecomunicações pelo presidente Temer, em fevereiro.

Juarez Quadros se diz confiante quanto a sanção e nega qualquer alusão a um “presente às teles”, expressão usada por senadores contrários a medida no Congresso. Isso porque quando sancionada, as operadoras de telefonia poderão ficar com quase R$ 90 bilhões em bens que hoje pertencem à União.

A contrapartida é a modernização de todo o sistema, além de uma saída para se livrar de um mico: A telefonia fixa em franco declínio. E hoje, além de ruim, o serviço de telefonia móvel é caro. E apesar da tecnologia já contar com a rede 5G, no país, a 3G ainda pedala.

O presidente da Anatel empurra a fatura para os Estados. Ao mesmo tempo em que admite que há outras prioridades como Saúde e Educação na conta das federações.

Outra mudança na lista de prioridades do paraense Juarez Quadros é a redução do número de orelhões pelo Brasil. A previsão é reduzir 60% deles nos próximos anos.