Paquistão encerra moratória sobre a pena morte

  • Por Agencia EFE
  • 10/03/2015 11h50

Islamabad, 10 mar (EFE).- Após dar sinal verde em janeiro para as execuções de condenados por terrorismo, o governo do Paquistão acabou com a moratória sobre a pena de morte para todos os tipos de casos, segundo informou à Agência EFE uma fonte do governo.

“O Ministério do Interior ordenou aos governos provinciais que agilizem as execuções dos que tiverem esgotado as chances de apelação e cujos recursos tenham sido recusados pelo presidente”, disse a fonte, que preferiu manter o anonimato.

O Paquistão mantinha desde 2008 uma moratória sobre a aplicação da pena de morte, que foi parcialmente suspensa como parte das medidas tomadas pelo governo por causa de um ataque a um colégio, no qual morreram 132 crianças e vários funcionários, na cidade de Peshawar, no noroeste do país, no dia 16 de dezembro.

Apesar da moratória, os tribunais paquistaneses continuaram sentenciando à morte, embora as execuções não tenham sido realizadas.

A Anistia Internacional calcula que cerca de 8.000 pessoas estejam no corredor da morte em prisões paquistanesas por algum dos 28 crimes para os quais a pena está prevista.

Além da suspensão da moratória à pena de morte, as forças de segurança intensificaram após o atentado sua ofensiva Zarb-e-Azb, iniciada em junho de 2014 na região do Waziristão do Norte, e começaram uma nova operação na província de Khyber-Pakhtunkhwa, cuja capital é Peshawar.

O Executivo do país islâmico também aprovou em janeiro a criação de tribunais militares para casos de terrorismo e aumentou as medidas de segurança, o que representou um aumento significativo das detenções por diferentes crimes.

Desde a suspensão da moratória, 20 de pessoas foram executadas no Paquistão. EFE