Paraguai intervém em prisão em que detento brasileiro foi assassinado

  • Por Agencia EFE
  • 07/01/2014 19h39

Assunção, 7 jan (EFE).- A Direção Geral de Estabelecimentos Penitenciários do Paraguai interveio nesta terça-feira a prisão regional da cidade de Pedro Juan Caballero, na fronteira com o Brasil, e destituiu seu diretor, após a recente morte a tiros de um detento brasileiro, informou o Ministério da Justiça.

A ministra da Justiça, Sheila Abed, determinou a intervenção na penitenciária e afastou do cargo o diretor Romualdo Rojas Amarilla, depois que em 4 de janeiro um preso brasileiro morreu em consequência de ferimentos a bala e outro ficou ferido.

Emilio Rojas, condenado em 2010 pela participação na tentativa de assassinato do senador paraguaio Roberto Acevedo, informou a Efe o suboficial primeiro da Polícia Nacional, Rubén Ruiz.

O crime aconteceu na manhã do sábado na prisão que fica a 550 quilômetros ao nordeste de Assunção, quando os dois agressores entraram na cela onde estavam as vítimas e dispararam várias vezes.

O Ministério da Justiça realizará “avaliações, monitoração sobre a operabilidade, alocação de pessoal e tudo relacionado ao funcionamento do centro com ênfase na investigação e avaliação de dados e relatórios relacionados às condições nas quais aconteceu o fato”, disse o comunicado.

A instituição designou como interventor da prisão o advogado Christian Rolando González Morel, funcionário de Direção Geral de Estabelecimentos Penitenciários e Execução Penal.

Tanto as vítimas do incidente como os atacantes, um paraguaio e um brasileiro, têm antecedentes por tráfico de drogas e homicídio doloso, segundo a polícia.

Após o ataque, os guardas encontraram em um dos corredores da prisão uma pistola de calibre 9 mm e mais de 40 cápsulas de munição.

A prisão de Pedro Juan Caballero abriga mais de 400 detentos e a cidade, na fronteira com o Brasil, é um dos centros de operações de quadrilhas dedicadas ao narcotráfico e aos assassinatos por encomenda. EFE