Presidente do Irã garante que país aplicará protocolo adicional do TNP

  • Por Agencia EFE
  • 20/09/2015 16h59

Teerã, 20 set (EFE).- O presidente do Irã, Hassan Rohani, afirmou neste domingo que o Irã aplicará voluntariamente o protocolo adicional do Tratado de Não-Proliferação (TNP), como está previsto no acordo atômico assinado com o G5+1 em julho.

Rohani fez esta declaração ao diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Yukiya Amano, que visita hoje Teerã pela primeira vez desde a assinatura do acordo nuclear entre o Irã e as potências do Grupo 5+1, para tirar dúvidas sobre o passado e o presente do programa atômico iraniano.

Nesta visita, Amano se reuniu com Rohani, que garantiu que a República Islâmica cumprirá voluntariamente o protocolo adicional do TNP, assinado em 14 de julho pelo Irã, que deve ser supervisionado pela Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), mas pediu que o façam de maneira justa.

Esse protocolo, que o Irã permite aos especialistas da AIEA inspeções mais exaustivas e sem aviso prévio em qualquer instalação atômica.

“Aplicaremos o acordo nuclear e o protocolo adicional voluntariamente e esperamos que vocês também vigiem de modo justo sua execução”, disse Rohani, informou a agência oficial iraniana de notícias, “Irna”.

Rohani ressaltou a importância do trabalho da AIEA para a aplicação do acordo nuclear, já que segundo o pacto assinado em Viena, Teerã se comprometeu a limitar diferentes aspectos de seu programa atômico por entre 10 e 25 anos, sempre sob a supervisão do organismo da ONU.

Rohani reiterou que “o Irã nunca pretendeu adquirir armas de destruição em massa” e garantiu que tampouco pretende fazê-lo no futuro, e pediu a AIEA que, nos próximos meses, aumente sua parceria “para o progresso científico de diferentes países, incluído o Irã”.

O ministro de Relações Exteriores iraniano, Mohamad Javad Zarif, que também se reuniu com Amano, expressou sua esperança de que agora acabe “o longo expediente de acusações infundadas em relação às partes não pacíficas do programa nuclear do Irã”.

Amano e Zarif discutiram a aplicação do “roteiro” estipulado entre o Irã e a AIEA.

Amano, por sua vez, se mostrou satisfeito com a melhora da parceria entre o Irã e a AIEA após a eleição de Rohani em 2013, e reiterou o interesse do organismo em “resolver todas as questões com diálogo e negociação”.

Segundo o “roteiro” assinado pelo Irã com a AIEA, Teerã tem até 15 de outubro para esclarecer qualquer dúvida sobre seu programa nuclear e o organismo supervisor da ONU terá até 15 de dezembro para preparar um relatório definitivo sobre o presente e o passado das atividades atômicas.

Amano também foi ao parlamento Consultivo do Irã e participou da reunião da comissão de estudos sobre o acordo nuclear, a quem garantiu que a “AIEA respeita as questões confidenciais”, informou a “Isna”.

A comissão parlamentar iraniana é composta por 15 deputados, a maioria de radicais islâmicos principalistas, contrários ao acordo, com os moderados a favor e um terceiro grupo que busca o consenso.

“A melhor maneira de resolver o tema nuclear é com a plena cooperação do Irã, e desse modo podemos conseguir que a comunidade internacional confie nos fins pacíficos do programa nuclear do Irã”, recalcou Amano. EFE