Presidentes antecipam abertura de cúpula da Aliança do Pacífico

  • Por Agencia EFE
  • 03/07/2015 03h23

Paracas (Peru), 2 jul (EFE).- Os presidentes de Chile, Michelle Bachelet; Colômbia, Juan Manuel Santos; México, Enrique Peña Nieto; e Peru, Ollanta Humala, decidiram antecipar para esta quinta-feira a abertura da 10ª Cúpula da Aliança do Pacífico.

A inauguração, programada em princípio para as 9h locais (11h de Brasília) da sexta-feira, foi antecipada para as 22h de hoje (meia-noite de Brasília), após a decisão do presidente da Colômbia de voltar a seu país devido à explosão de dois artefatos hoje, em Bogotá, que deixaram oito feridos.

Bachelet, Peña Nieto e Humala expressaram sua solidariedade com Santos durante o encerramento do fórum empresarial que foi realizado em paralelo à Cúpula Presidencial no balneário peruano de Paracas, a cerca de 260 quilômetros ao sul de Lima.

Humala confirmou que as explosões em Bogotá obrigaram Santos a retornar imediatamente à Colômbia e a encurtar sua participação na cúpula presidencial da Aliança do Pacífico.

O presidente peruano disse que todos devem entender que a violência não leva a lugar nenhum e que só a paz garantirá o desenvolvimento dos povos da América Latina.

Durante o fechamento do fórum empresarial, Bachelet condenou o atentado na Colômbia e expressou toda a solidariedade do governo chileno com os colombianos.

O mexicano Peña Nieto também manifestou sua “maior solidariedade com o povo da Colômbia”.

“Reprovamos esta conduta violenta e reiteramos o apoio ao nobre esforço do governo colombiano de alcançar a paz em seu país. Desejamos que este propósito seja materializado. A violência não é o caminho que permitirá a harmonia em uma sociedade”, disse Peña Nieto.

Na saída do fórum empresarial, Humala se dirigiu à imprensa local para “reforçar nossa solidariedade com o povo colombiano que está sofrendo estes atentados”.

Bachelet, Santos, Peña Nieto e Humala participaram hoje do painel “Aliança do Pacífico: visão do futuro”, que teve como moderador o presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Luis Alberto Moreno, com o qual se encerrou a cúpula financeira que começou na quarta-feira. EFE

dub/rpr