Principais notícias internacionais de junho de 2014

  • Por Agencia EFE
  • 16/12/2014 16h08

Dia 3

– Abdul Fatah al Sisi ganha as eleições presidenciais egípcias com 96,91% e uma participação de 47,5%.

Dia 4

– A polícia italiana detém o prefeito de Veneza, Giorgio Orsoni, e outras 34 pessoas por suposta corrupção.

Dia 5

– O Banco Central Europeu baixa os juros até o mínimo histórico de 0,15%.

Dia 7

– Petro Poroshenko é o novo presidente da Ucrânia.

Dia 8

– O papa Francisco e os presidentes israelense, Shimon Peres, e palestino, Mahmoud Abbas, rezam pela paz no Vaticano.

Dia 9

– As forças de segurança paquistanesas repelem um ataque talibã no aeroporto de Karachi com 38 mortos.

Dia 10

– O Estado Islâmico do Iraque e do Levante toma o controle da segunda maior cidade do país, Mossul.

Dia 11

– Milhares de taxistas europeus se mobilizam contra aplicativos “concorrentes” para celulares.

Dia 12

– As autoproclamadas repúblicas ucranianas de Donetsk e Lugansk anunciam planos de união com a Rússia.

Dia 13

– O aiatolá Ali al Sistani pede Guerra Santa contra os insurgentes sunitas.

– A junta militar da Tailândia suspende o toque de recolher em todo o país.

Dia 14

– Mais de 50 soldados ucranianos morrem em queda de avião militar perpetrada por insurgentes pró-Rússia.

Dia 15

– Juan Manuel Santos é reeleito presidente da Colômbia.

Dia 16

– Rússia cumpre com ameaça e corta por falta de pagamento as provisões de gás à Ucrânia.

Dia 18

– Um tribunal turco condena à prisão perpétua os dois únicos militares vivos que dirigiram o golpe de Estado de 1980.

Dia 19

– O primeiro-ministro iraquiano, Nouri al-Maliki, chama os reservistas do Exército para lutar contra a insurgência sunita.

Dia 20

– A máxima autoridade xiita do Iraque, o aiatolá Ali al Sistani, pede a formação de um governo de consenso.

Dia 21

– Um tribunal do Egito condena a morte a 183 membros da Irmandade Muçulmana, entre eles teu líder, Mohammed Badía.

Dia 22

– Saadi Kadafi, filho de Muammar Kadafi, é processado pelo assassinato de um jogador líbio em 2005.

Dia 23

– As últimas armas químicas declaradas pelo governo sírio saem de seu território, no marco do acordo para destruir seu arsenal.

Dia 24

– Andy Coulson, ex-chefe de imprensa do primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, é declarado culpado por conspirar para discursar em telefones quando dirigia o jornal “News of the World”.

Dia 25

– O Senado russo revoga, a pedido de Putin, a permissão para enviar tropas à Ucrânia.

– A Frente de Libertação Nacional Córsica (FLNC) abandona “incondicionalmente” a luta armada.

Dia 26

– Libertados quatro dos oito observadores da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) sequestrados na Ucrânia por rebeldes pró-Rússia.

Dia 27

– Jean-Claude Juncker é eleito presidente da Comissão Europeia.

– A UE firma acordos de associação com a Ucrânia, Geórgia e Moldávia, apesar das reservas russas.

– EUA anunciam que não produzirão e nem irão adquirir mais minas antipessoais.

Dia 29

– O grupo extremista Estado Islâmico, que controla amplas zonas da Síria e Iraque, declara a instauração de um califado islâmico.

Dia 30

– O exército israelense encontra perto de Hebron os corpos dos três jovens desaparecidos em 12 de junho na Cisjordânia.

– O presidente dos EUA, Barack Obama, anuncia que adotará ações executivas perante a recusa republicana de votar neste ano a reforma migratória. EFE