Procuradoria recomenda que Pérez Molina renuncie e evite ingovernabilidade

  • Por Agencia EFE
  • 27/08/2015 02h40

Cidade da Guatemala, 26 ago (EFE).- A Procuradoria Geral da Guatemala recomendou nesta quarta-feira ao presidente do país, Otto Pérez Molina, acusado de corrupção, que renuncie ao cargo para evitar assim a “ingovernabilidade” do país.

Pérez Molina foi acusado na sexta-feira passada pelo Ministério Público e pela Comissão Internacional Contra a Impunidade na Guatemala (CICIG) de liderar uma rede de corrupção junto com sua ex-vice-presidente, Roxana Baldetti, agora na prisão.

Esta rede era uma milionária estrutura clandestina dentro do ente arrecadador de impostos, que funcionava com a cumplicidade de pelo menos 49 pessoas, 28 delas já detidas.

A Suprema Corte de Justiça aceitou para trâmite um pedido de antejulgamento contra o presidente feito pelos entes acusadores, que será analisado no Congresso, onde os deputados devem decidir se retiram ou não a imunidade de Pérez Molina para que seja investigado.

A Procuradoria Geral explicou nesta quarta-feira que, por mandato constitucional, o presidente deve representar “a união nacional, devendo zelar pelo bem comum, a consolidação do regime de legalidade, a segurança, a justiça, a igualdade, a liberdade e a paz”.

Por isso “recomenda” que Pérez Molina apresente sua renúncia para evitar uma ingovernabilidade que, de acordo com a procuradoria, vai desencadear uma “instabilidade” geral da nação.

Pérez Molina, cujo sucessor será escolhidos nas eleições gerais do próximo dia 6 de setembro, já assegurou que não tem nenhuma vinculação com a corrupção e que não pretende renunciar. EFE