Protestos e greves devem marcar a semana no País

  • Por Jovem Pan
  • 26/05/2014 14h32

O que mais vai agitar o cenário político e também cotidiano da população nesta semana serão os protestos e greves programados no Brasil inteiro, é o que informa o comentarista político Jovem Pan Fernando Rodrigues, ao dar a agenda da semana. “Vai ser assim até a Copa do Mundo”, espera. Confira esse e outros destaques do executivo, legislativo e judiciário.

SEGUNDA-FEIRA

Dilma recebe à noite em Brasília os integrantes do Bom Senso FC no Palácio do Planalto. A presidente está “tentando fazer o que todos os políticos fazem: entrar na agenda do futebol e tirar uma casquinha”, avalia Fernando Rodrigues.

Aécio Neves tem reunião com Geraldo Alckmin ainda nesta Segunda. Alckmin também recebe Gilberto Kassab, líder do PSD, em articulação sobre a eleição paulista. Já Eduardo Campos participa do programa Roda Viva, da TV Cultura, na noite também desta segunda (26).

Sobre os protestos, a Justiça do Trabalho julga a greve de motoristas de ônibus em São Paulo, com risco de retomada de paralisação.

TERÇA-FEIRA

Dilma Rousseff tem um jantar com candidatos do PMDB a governos estaduais.

Ainda na terça, 9800 metroviários podem decretar a paralisação do metrô de São Paulo, e os professores municipais também estão prestes a entrar em greve.

No legislativo, finalmente o Congresso Nacional deve instalar a segunda CPI da Petrobras, dessa vez mista, com deputados e senadores.

QUARTA-FEIRA

De manhã, Dilma se reúne com um grupo grande de empresários em Brasília. No restante da semana, viaja para inaugurar obras. Visita pelo menos São Paulo, São Bernardo do Campo e, em Minas Gerais, Poços de Caldas e Belo Horizonte.

42 mil estivadores ameaçam parar 36 portos no País. 

Na economia, o COPOM anuncia nesta quarta uma nova taxa Selic de juros, o que pode ter consequências políticas.

Já no Judiciário e também envolvendo a economia de vários brasileiros, o Supremo Tribunal Federal retoma o julgamento com impacto nas 400 mil ações que pedem a reposição das perdas econômicas nas poupanças durante os planos econômicos.

QUINTA-FEIRA

Movimentos sociais pretendem fazer uma nova versão da “Quinta-feira vermelha“, oganizando várias manifestações em todo o País nesta semana. Os moradores de grandes metrópoles terão que ter muita paciência nos próximos dias, conclui Fernando Rodrigues.

Enquanto isso…

O governo federal vai fazer o que tem feito: posição de observação e acompanhamento. O Palácio do Planalto passa a responsabilidade da segurança pública aos governos dos Estados em coordenação com os municipais afetados. Tropas federais só serão mobilizados com pedidos formais de ajuda por parte das unidades da federação ou cidades.

Fernando Rodrigues também comenta que o PT decidiu entrar com ação no STF com ação para ajudar mensaleiros presos a trabalharem durante o dia. A ação visa a garantir a todo preso no Brasil no regime semiaberto trabalharem independentemente de terem cumprido 1/6 da pena.

Joaquim Barbosa decidiu durante a semana revogando o direito de vários condenados no mensalão de trabalhares em meio período. O argumento de barbosa é que é necessário antes que o preso cumpra um sexto da pena.

O PT, por sua vez, argumenta que Barbosa usou dispositivo na lei de 1944, anterior à Constituição de 1988, que garante aos presos integridade moral e ressocialização. Várias decisões e instâncias judiciárias têm dado direito aos presos de trabalharem fora.

A consequência política, porém, é que se mantém em baila o assunto do mensalão em ano eleitoral, o que desagrada ao PT.

Se perder, “Joaquim vai ficar numa situação embaraçosa e constrangedora” dentro do Supremo Tribunal Federal.