Servidora é processada nos EUA por descumprir lei que instituiu casamento gay

  • Por Agencia EFE
  • 07/07/2015 02h08

Austin (EUA.), 6 jul (EFE).- Um casal do Texas entrou nesta segunda-feira (data local) com uma ação contra uma polêmica servidora da Justiça do estado, no sul dos Estados Unidos, que se nega a emitir certidões de casamento para homossexuais, desrespeitando o decreto da Suprema Corte do país.

Katie Lang, secretária do condado de Hood, no norte do Texas, tem estado no centro das críticas desde que anunciou sua decisão de não cumprir a determinação do Supremo ao argumentar que “o casamento é para um homem e uma mulher, porque assim diz a Bíblia”.

“Podem me multar, me processar. Hoje em dia te processam por qualquer coisa”, disse Katie após ser alertada sobre possíveis ações legais.

A denúncia não demorou e foi feita hoje, dez dias após a decisão do Supremo, por Jim Cato e Joe Stapleton. Os dois, que estão juntos a 27 anos, tentaram obter uma certidão de casamento na última quinta-feira, mas os servidores alegaram que não tinham o formulário usado no processo.

Os dois homens, então, obtiveram por conta própria o documento e retornaram às repartições públicas na cidade de Granbury para que Katie finalizasse o pedido. Porém, a servidora determinou a evacuação do local e chamou a polícia para o casal.

Após a nova recusa de Katie, Cato e Stapleton decidiram recorrer à Justiça. A servidora, então, expediu a certidão de casamento, apesar de declarar ter “objeções religiosas” para fazê-lo. Mas o casal não pretende retirar a ação.

“É um motivo de alegria que finalmente eles tenham conseguido uma licença de casamento e tenham se casado em seu condado natal, mas é uma pena que tenham tido que contratar advogados e apresentar um processo para que isso pudesse ocorrer”, explicou ao jornal local “San Antonio Express-News”, o advogado do casal, Khan Soifer.

Granbury foi palco na semana passada de protestos de partidários e de opositores ao casamento homossexual em resposta à decisão tomada por Lang. EFE