Temporal deixa milhares de casas sem energia elétrica no Reino Unido

  • Por Agencia EFE
  • 13/02/2014 11h03

Londres, 13 fev (EFE).- Milhares de casas no Reino Unido estão sem eletricidade nesta quinta-feira devido aos forte temporais e ao vento que castigam o país e já causaram inundações que resultaram em problemas de transporte e no cancelamento de eventos esportivos.

A Associação de Redes de Energia, que representa as companhias energéticas do Reino Unido, informou hoje que 130 mil famílias estão sem luz no País de Gales e no centro e no norte da Inglaterra.

As inundações, que obrigaram muitas famílias a abandonarem suas casas, provocaram problemas nos serviços ferroviários, com vários cancelamentos e atrasos nas áreas mais atingidas pelas chuvas, como as que estão próximas ao rio Tâmisa, nos arredores de Londres e no sudoeste da Inglaterra.

Devido aos cancelamentos, os serviços ferroviários foram substituídos, em alguns casos, por ônibus.

As inundações obrigaram ao cancelamento de dois jogos de futebol do Campeonato Inglês ontem à noite – Manchester City contra Sunderland e Everton contra Crystal Palace – devido, sobretudo, às dificuldades que os torcedores tiveram para chegar aos estádios.

Várias estradas também permanecem fechadas por causa de inundações e queda de árvores. Na noite de ontem, os ventos chegaram a 160 km/h em algumas regiões da Inglaterra.

Segundo o Serviço Meteorológico, as águas do rio Tâmisa podem alcançar, nos próximos dias, seu nível mais alto em 60 anos.

Além do Tâmisa, o nível do Rio Severn – que fica no noroeste da Inglaterra e é o mais longo do país – também subiu, o que obrigou ao fechamento da ponte de Severn, que liga a cidade galesa de Monmouthshire ao condado inglês de Gloucestershire.

Em Wiltshire (sudoeste da Inglaterra) um homem de 70 anos morreu eletrocutado ontem quando tentava retirar uma árvore que havia caído sobre cabos de eletricidade, segundo a polícia.

As autoridades britânicas advertiram que a situação pode piorar nos próximos dias pois se espera para amanhã, sexta-feira, outra tempestade vinda do Atlântico. EFE