TV turca é multada por nome dado a urso de pelúcia em série

  • Por Agencia EFE
  • 19/03/2015 10h12

Ancara, 19 mar (EFE).- O Conselho Audiovisual da Turquia (RTÜK) impôs uma multa à emissora “Fox TV” pela aparição em uma série de um ursinho de pelúcia chamado “Ali”, nome do genro de Maomé e quarto califa do islã, segundo confirmou nesta quinta-feira à Agência Efe esse organismo estatal.

O Conselho considerou isso como um insulto à religião, pela veneração que o califa Ali recebe no islã.

Ali, primo e genro do profeta Maomé, é objeto de especial veneração entre os xiitas, muito acima de outros personagens islâmicos, e entre os alevitas, uma religião monoteísta da Turquia próxima ao islã, inclusive é atribuído seu caráter divino.

Ali Öztünç, membro do “RTÜK”, assegurou em conversa telefônica com a AgênciaEfe que na mesma tarde na qual foi transmitido o capítulo da telenovela “Não me esqueças” com o urso de pelúcia, o organismo supervisor recebeu cerca de dez mil chamadas de protesto, e inclusive houve manifestantes diante da sede de “Fox TV” em Istambul.

“Ali é o nome de um personagem malvado nesta telenovela e colocaram seu nome em um urso de pelúcia. Não parece que tenha sido uma coincidência inocente. O povo se sentiu insultado”, detalhou Öztünç.

Por sua vez, Sedat Bozkurt, diretor da “Fox TV” em Ancara, opinou em conversa com a Efe que a sanção era “simplesmente cômica” porque Ali é um dos nomes turcos mais comuns que existem.

Nestes casos, o habitual é multar a emissora com 5% da renda publicitária do mês, explicou Öztünç, mas neste caso ficou decidido aplicar a sanção mínima de 1%, o que supõem cerca de 60 mil euros.

Não é a primeira vez que o “RTÜK” impõe sanções às emissoras por “insultos à religião”.

Teve certa repercussão uma multa pela emissão da série de desenhos “The Simpsons”, na qual uma Bíblia é queimada publicamente e aparecem Deus e o diabo em forma humana.

Em fevereiro, o Conselho mostrou cartão amarelo a outra emissora por ter usado na dublagem de uma série francesa a palavra turca Tanri, que significa Deus, ao invés da árabe Alá, ao entender que pode afetar a concepção religiosa das crianças.EFE