Bolsonaro não compareceu à votação da LDO para evitar “marca na testa”

  • Por Jovem Pan
  • 16/07/2018 08h20
Janine Moraes/Agência CâmaraBolsonaro já se absteve de votações importantes. Não votou, por exemplo no projeto de terceirização da reforma trabalhista

O pré-candidato à Presidência Jair Bolsonaro foi sincero ao justificar sua ausência na votação da LDO de 2019. É a lei que define as diretrizes do primeiro orçamento do futuro presidente.

Ele disse que teria um evento ao Pará na sexta-feira (13) e disse que a votação se estendeu durante madrugada de quarta para quinta. Ele afirmou que teria que se preparar para o evento, e que, além disso, teria 63 anos e votação se estendeu por muito tempo.

Mas mais tarde ele deu o real motivo: quem comparecesse à votação e votasse a favor do projeto do Governo que determinava proibição de reajuste a servidores ficaria com marca na testa por ter votado contra milhões de servidores.

Para não votar pela derrubada da proibição, que foi o que deputados e senadores acabaram fazendo e ficar com marca do populismo tributário e fiscal, e também não se indispor com servidores ele preferiu faltar.

É uma atitude que não é a primeira vez. Ele já se absteve de votações importantes. Não votou, por exemplo no projeto de terceirização da reforma trabalhista.

Para quem quer ser presidente da República, Bolsonaro falta em votação de lei importantíssima.

Caminha para discurso liberal

Ele tem feito discurso de que será liberal na economia, que terá Paulo Guedes na sua equipe econômica, mas quando ele está por sua própria conta e risco ele dá as velhas escorregadas, cuja trajetória parlamentar defende servidores, militares

É difícil acreditar no discurso liberal de Bolsonaro quando ele fala coisas como a sua justificativa para se ausentar da votação da LDO 2019.

Confira o comentário completo de Vera Magalhães: