Vera: Apesar da pose reformista, Maia retoma velha política ao articular fundo partidário

  • Por Jovem Pan
  • 18/09/2019 08h05 - Atualizado em 18/09/2019 09h41
Marcelo Camargo/Agência BrasilPP, Solidariedade e PL já articulam volta de fundo partidário

Depois de o Senado Federal derrubar, nesta terça-feira (17), o projeto de ampliação do fundo partidário, que pretendia, sem esconder, fazer enormes retrocessos no que diz respeito ao uso do dinheiro público pelos parlamentares – como permitir compra de imóveis com o dinheiro e de passagens aéreas para terceiros -, o texto tem chance de voltar à tona e ser aprovado nesta quarta-feira (18).

Esse já era o plano do presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), que já havia fechado um acordo com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e outros parlamentares, para fazer uma votação às pressas e a toque de caixa também no Senado. O problema é que o plano falhou: após ser aprovado “escondidinho” na Câmara, a imprensa noticiou, trazendo revolta da sociedade.

Apesar disso, mesmo com a derrubada do Senado, há chances que o projeto seja retomado ainda hoje, quando chega novamente à Câmara. Lá tem muito mais gente agindo a favor desse texto e, por isso, a chance que ele consiga passar sorrateiramente, propiciando o caixa 2, a impunidade e afrouxando controles ad justiça eleitoral, é muito grande. PP, Solidariedade e PL já estão trabalhando na articulação.

Maia está aprovando o projeto. Apesar de sua pose de paladino com as reformas macro, em que ele demonstra ser reformista, apoiador da retomada da economia e se vende como um contraponto institucional ao presidente Jair Bolsonaro, na verdade, no dia a dia, ele continua querendo ser o líder do Centrão, do baixo clero, e patrocinar esse tipo de manobra que tem a cara da velha política.