Vera Magalhães: Ao recorrer ao Supremo, Flávio Bolsonaro instala crise na vizinhança do pai

  • Por Jovem Pan
  • 18/01/2019 07h52
Daniel Castelo Branco/Estadão ConteúdoTudo entra em contradição com a ação de Flávio Bolsonaro

Ao recorrer ao Supremo Tribunal Federal para suspender a investigação, Flávio Bolsonaro instalou a crise na vizinhança do pai. Me parece decisão bastante controversa do ponto de vista jurídico e politico. O Planalto, até agora, reagiu de forma preocupada no núcleo mais próximo ao presidente.

Era uma crise mais ou menos controlada. Já era um erro postergar tanto as explicações do caso, mas levá-lo ao STF, na vizinhança do Planalto, envolvendo a PGR, uma turma de ministros do Supremo e deixando entrever que Flávio é um dos investigados do caso é contraditório em relação à própria tese, à história da família Bolsonaro, e sabemos que agora tudo entra em contradição com a ação de Flávio Bolsonaro.

Esse é o caso que você sabe que vai tomar o gol e coloca a mão na bola deliberadamente na tentativa de não perder. Mas parece que o jogador, neste caso, seria expulso e o time ainda levaria o gol.

O relator do pedido é o ministro Marco Aurélio Mello. Apesar de a ideia ser diminuir o protagonismo do Supremo, sempre que o presidente da Corte, Dias Toffoli, diz isso, há algum fato a se preocupar.

Luiz Fux, que concedeu a liminar suspendendo a investigação, deu um triplo twist carpado e foi buscar na diplomação o momento em que leva o caso ao Supremo.

Até agora, o que Flávio Bolsonaro dizia era que ele não era investigado no caso. Fux, por sua vez, mudou entendimento sobre o foro privilegiado e concedeu tal liminar que causa polêmica nesta semana e promete ser assunto nos próximos dias. As nuances jurídicas de Fux e seu protagonismo exagerado não são novidades.

Confira o comentário completo de Vera Magalhães: