‘Plano de voo tem que incluir reformas estruturais, como a administrativa’, diz Felipe Salto, diretor-executivo do IFI

Na avaliação do economista, se o Brasil voltar a ter um resultado positivo nas contas públicas, é possível que, a médio prazo, ‘a dívida em relação ao PIB volte a se equilibrar e até mesmo diminuir’

  • Por Jovem Pan
  • 15/02/2021 10h06
Jovem Pan/YoutubeFelipe Salto, diretor-executivo do IFI

Jovem Pan está sempre atenta aos desafios e às necessidades do Brasil. Nos posicionamos em momentos decisivos e por isso, novamente, nos colocamos em defesa das reformas e dos projetos fundamentais para o desenvolvimento do país. Para isso, convidamos empresários, lideranças e autoridades para agir, juntos, em prol do futuro da nação. O Brasil não pode mais esperar. “É preciso que se tenha um plano de voo, e esse plano de voo tem que incluir reformas estruturais, a exemplo da reforma administrativa e de outras reformas, que possam permitir alguma contenção da evolução das chamadas despesas obrigatórias, que são as despesas que hoje ocupam maior espaço fiscal no orçamento público federal”, afirma Felipe Salto, diretor-executivo da Instituição Fiscal Independente (IFI).

“Além disso, outras medidas do lado da receita, que também permitam recuperar aquilo que nós chamamos de superávit primário, a receita menos as despesas, sem considerar os juros da dívida. Voltando ao azul, a ter um resultado positivo nas contas públicas, é possível, sim, que a médio prazo a dívida em relação ao PIB volte a se equilibrar e até mesmo diminuir. Isso é fundamental desde já, para que se simule um quadro de maior confiança de atratividade ao capital estrangeiro e, assim, o Brasil possa recuperar uma chance de ter o crescimento econômico e a ampliação da renda e do emprego, sobretudo para aqueles que mais dependem da atuação do estado”, completa Salto. Acompanhe a cobertura especial da campanha na página especial do site da Jovem Pan: jovempan.com.br/o-brasil-nao-pode-mais-esperar. Clique AQUI.