Dilma diz que Huck é “simpático”, mas não tem “estatura nem experiência para ser presidente”

  • Por Jovem Pan
  • 25/01/2018 15h46
MAURICIO/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO Dilma Rousseff abraça ex-presidente Luíz Inácio Lula da Silva no ato de lançamento de sua pré-candidatura na sede da CUT, em São Paulo

Em ato no qual o PT lançou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como pré-candidato à Presidência da República nesta quinta (25), a ex-presidente Dilma Rousseff defendeu a inocência de seu padrinho político e analisou o cenário eleitoral para este ano.

A petista comentou a perspectiva do apresentador Luciano Huck concorrer ao Planalto. “Até acho ele simpático. Só não acho que tem estatura nem experiência para ser presidente deste País”, disse Dilma.

A ex-presidente classificou o lançamento do nome de Huck como “experimento de auditório” e disse que o PSDB quer utilizar o “auditório como mobilização político-social”.

“Todas as lideranças do PSDB estão destruídas”, afirmou. “Fracassaram os outsiders como Doria e fracassou o experimento no auditório”, disse Dilma, reforçando a associação da imagem de Huck aos tucanos.

Para a petista, o cenário mostra que o “golpe” é “inviável”.

“Não temos plano B”

Dilma reforçou o discurso partidário de que Lula é o único candidato da sigla. “Não temos plano B porque sabemos que ele (Lula) é inocente e não temos por que não explorar todas as contradições que eles (julgadores) deixam”, disse.

A petista afirmou que o mais importante são as “mobilizações nas ruas”. Ela classificou a confirmação da condenação de Lula pelo TRF4 como “um escândalo do ponto de vista jurídico”, mas entende que houve uma “vitória política das mobilizações”.

“Sobrevivemos” ao “golpe”

A ex-presidente impedida disse ainda que “o golpe fracassou”.

“Nós sobrevivemos a todos os pixulecos que foram colocados na Avenida Paulista, sobrevivemos aos patos amarelos também, sobrevivemos à destruição do meu mandato”, declarou Dilma. A petista entende que o ex-presidente Lula deu a volta por cima com o PT.

Dilma conclama os militantes a “agora acumular forças para termos claramente nossa possibilidade de vitória em outubro”.

Para a ex-presidente, “o golpe fracassou também em seu objetivo estratégico, que é enquadrar o Brasil economicamente”. Ela cita a não privatização da Petrobras, do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal, que seriam objetivos dos que articularam sua queda.

Ainda sobre o “golpe”, Dilma afirmou que “é próprio dos golpes, antes de acabar, se radicalizar” e comparou o contexto brasileiro atual ao da decretação do Ato Institucional número 5, o mais duro durante a Ditadura Militar.

A ex-presidente vê um “golpe parlamentar, midiático, que teve o apoio de segmentos do Ministério Público, da Polícia Federal e até do Judiciário”.

Veja o evento completo do PT: