Comerciante do DF afirma ter R$ 5,3 mi em espécie

  • Por Estadão Conteúdo
  • 22/08/2018 12h43
Reprodução/DivulgaCandContasJuraci afirmou que não investe esse dinheiro porque "toda hora precisa de alguma coisa"

Conhecido como “Tesoura de Ouro” por causa da marca de sua rede de lojas no Distrito Federal, o empresário Juraci Pessoa de Carvalho, candidato a uma vaga na Câmara pelo PTB, esconde onde guarda R$ 5,3 milhões em dinheiro vivo. “Não vou dizer onde eu guardo, por uma questão de segurança. Mas esse dinheiro existe e a origem é o meu trabalho.”

Juraci afirmou que não investe esse dinheiro porque “toda hora precisa de alguma coisa”. Ele é alvo de ações na Justiça, como cobrança por dívidas tributárias e uma ação penal, acusado de lavagem de dinheiro e grilagem de terras e suspeito de ocultar patrimônio por meio de laranjas. Disse já ter provado sua inocência.

O deputado estadual de Mato Grosso Gilmar Fabris (PSD) declarou ter R$ 4,5 milhões em espécie. No ano passado, ele foi preso depois de ter sido delatado pelo ex-governador Silval Barbosa (MDB). Fabris nega vínculos com o esquema de corrupção.

Candidato a deputado estadual pelo MDB mineiro, o ex-prefeito de Ipatinga Sebastião Quintão tem R$ 3,5 milhões em espécie. “Tenho 74 anos, comecei a trabalhar com 7. Sou jeca, trabalho 16 horas sem ser registrado e sem gastar, se eu não tivesse alguma coisa, seria muito ordinário.”

Quarto com mais dinheiro vivo, o ex-prefeito de Palmas Carlos Amastha, candidato do PSB ao governo do Tocantins, disse não ter mais os R$ 3,4 milhões declarados – parte já foi aplicada na própria campanha.

Já Paco Britto (Avante), candidato a vice-governador do Distrito Federal, tem R$ 2,4 milhões em espécie. “Esse dinheiro é da venda de bens meus, bens já declarados legalmente.”