Alckmin provoca Bolsonaro e Mourão em nova propaganda: ‘Ele não. 13º salário sim’

  • Por Jovem Pan
  • 27/09/2018 16h42
ReproduçãoTucano correu para conseguir incluir as críticas em seu programa

A controversa declaração do general Hamilton Mourão (PRTB), vice do presidenciável Jair Bolsonaro, sobre o 13° salário segue repercutindo. Depois de causar um mal estar dentro da própria chapa, a fala foi criticada também pelo concorrente Geraldo Alckmin (PSDB) em uma propaganda exibida no horário eleitoral desta quinta-feira (27).

O programa acompanha a linha geral que tem sido adotada pela campanha do tucano de críticas à polarização entre o candidato do PSL e Fernando Haddad (PT) na disputa. No final, após um anúncio de “Urgente”, uma voz anuncia que “a campanha de Bolsonaro é contra o 13º salário” enquanto as imagens mostram reportagens publicadas sobre o caso. “Prepare seu bolso. Ele não. Décimo terceiro, sim”, finaliza o locutor.

Outras provocações aconteceram também nas redes sociais. “A campanha de Bolsonaro é lamentável. O filho, vereador pelo RJ, passa o dia me atacando com mentiras. Ontem, imitando o pai, fez apologia à tortura. O vice, depois de ofender indígenas, negros e mulheres, ataca agora o 13º e as férias dos trabalhadores. E querem a volta da CPMF”, escreveu Alckmin também nesta tarde.

Entenda

Em uma palestra feita na Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Uruguaiana, Rio Grande do Sul, Mourão classificou como “jabuticaba” o pagamento de 13º salário e adicional de férias.

“Temos umas jabuticabas que a gente sabe que são uma mochila nas costas de todo empresário”, disse. “Jabuticabas brasileiras: 13º salário. Como a gente arrecada 12 meses e pagamos 13º? O Brasil é o único lugar onde a pessoa entra em férias e ganha mais. São coisas nossas, a legislação que está aí. A visão dita social com o chapéu dos outros e não do governo”, completou.

As críticas irritaram o candidato que encabeça a chapa. Logo que foi informado, Bolsonaro usou o Twitter para se manifestar contra as declarações do aliado. “O 13º salário do trabalhador está previsto no art. 7º da Constituição em capítulo das cláusulas pétreas (Não passível de ser suprimido sequer por Proposta de Emenda à Constituição)”, escreveu. “Criticá-lo, além de ser ofensa a quem trabalha, confessa desconhecer a Constituição”.