Boulos, Daciolo e Marina têm registros aprovados por unanimidade

  • Por Jovem Pan com Agência Brasil
  • 23/08/2018 12h42
DivulgaçãoPor outro lado, a candidatura de Luis Inácio Lula da Silva (PT) recebeu 16 pedidos de impugnação

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou na manhã desta quinta-feira (23), por unanimidade, os registros de candidaturas ao Palácio do Planalto de Guilherme Boulos (PSOL), Cabo Daciolo (Patriota) e Marina Silva (Rede). Por outro lado, a candidatura de Luis Inácio Lula da Silva (PT) recebeu 16 pedidos de impugnação.

Guilherme Boulos

A vice é Sônia Guajajara, também do PSOL. A chapa disputa as eleições numa coligação com o PCB.

Boulos, de 35 anos, é natural de São Paulo, filho de médicos e professores da Universidade de São Paulo (USP). Ele é filósofo formado pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, na qual ingressou no ano 2000. Também é psicanalista, professor e escritor.

A vida política de Boulos começou em 1997, aos 15 anos, quando ingressou no movimento estudantil como militante na União da Juventude Comunista (UJC).

Depois, conheceu o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), do qual é coordenador. Declarou patrimônio de R$ 15,4 mil.

O primeiro turno das eleições será realizado no dia 7 de outubro. De acordo com o TSE, mais de 27,6 mil candidatos a presidente, governador, senador e deputado federal, estadual e distrital vão disputar os votos de 147,3 milhões de eleitores brasileiros.

Cabo Daciolo

A vice é a Professora Suelene Balduíno, do mesmo partido.

Integrante do Corpo de Bombeiros, Cabo Daciolo, 42 anos, foi filiado ao PSOL, PTdoB e Avante. Ele ganhou notoriedade em 2011 por liderar a greve da categoria no Rio de Janeiro e foi eleito deputado federal pelo Rio de Janeiro nas eleições de 2014.

Foi lançado pré-candidato em 28 de março de 2018 pelo Patriota, antigo PEN. Não apresentou lista de bens ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O primeiro turno das eleições ocorre no dia 7 de outubro. De acordo com o TSE, mais de 27,6 mil candidatos a presidente, governador, senador e deputado federal, estadual e distrital vão disputar os votos de 147,3 milhões de eleitores brasileiros.

Marina Silva

O vice na chapa é Eduardo Jorge, do PV, definido após aliança entre os dois partidos. Marina Silva tem 60 anos, é historiadora e disputa a eleição presidencial pela terceira vez. Ela declarou patrimônio de R$ 118,8 mil.

Em 2014, candidata pelo PSB, ficou em terceiro lugar, com mais de 20% dos votos. No ano seguinte, liderou a formalização de um novo partido, a Rede Sustentabilidade, pelo qual entra na disputa à Presidência deste ano.

Ex-senadora e ministra do Meio Ambiente, Marina nasceu em uma pequena comunidade chamada Breu Velho, no Seringal Bagaço, em Rio Branco, no Acre. Em 1984, ela ajudou a fundar a Central Única dos Trabalhadores (CUT) no Acre. No ano seguinte, filiou-se ao PT.

Marina foi eleita pela primeira vez a um cargo público nas eleições de 1988, quando foi a vereadora mais votada de Rio Branco. Depois disso, foi eleita deputada estadual e senadora (dois mandatos). Foi ministra do Meio Ambiente no governo Lula.

O primeiro turno das eleições ocorre no dia 7 de outubro. De acordo com o TSE, mais de 27,6 mil candidatos a presidente, governador, senador e deputado federal, estadual e distrital vão disputar os votos de 147,3 milhões de eleitores brasileiros.

Lula

A candidatura de Lula foi alvo de diversas contestações no TSE. Ele foi condenado a mais de 12 anos de prisão e cumpre pena em Curitiba. Com o ex-presidente preso, quem faz campanha em nome do PT é o vice, Fernando Haddad, acompanhado de Manuela D’Ávila, do PCdoB.

Nesta quarta-feira (22), a equipe seguiu em caravana pelo Nordeste. Na chegada a Aracaju, capital de Sergipe, Haddad falou sobre os pedidos para barrar a candidatura de Lula.

O advogado especialista em Direito Eleitoral, Alberto Rollo, explicou que o Tribunal Superior Eleitoral se limita a dizer se Lula pode ou não ser candidato, e não a questionar a pena imposta na segunda instância.

Nesta quinta-feira (23), a Corte deve intimar a defesa de Lula sobre as impugnações, e os advogados terão até o próximo dia 30 para responder.