Lula: “eu não sinto ódio, mas pena”

  • Por Jovem Pan
  • 13/07/2018 09h49
EFE/MARCELO CHELLOEx-presidente refugiado no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, antes de se entregar à Polícia Federal em 7 de abril

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), preso e condenado na Lava Jato pelo caso tríplex, mandou mais um “recado” por meio de sua conta no Twitter e site oficial nesta sexta-feira (13).

Lula voltou a dizer que foi preso “com mentiras” e acusou “eles” de “armações” e uma “consciência culpada”. “Eu não sinto ódio, mas pena pela situação em que essa gente colocou o Brasil para vender nossas riquezas”, declarou o petista.

O ex-presidente afirmou também estar “indignado” com o “sofrimento” do povo brasileiro desempregado.

Apesar de inelegível de acordo com a Lei da Ficha Limpa, Lula, que ainda é alçado como pré-candidato à Presidência, defendeu que o povo “recupere” sua “liberdade democrática”.

Veja a mensagem:

“A tensão deles com a possibilidade de eu ser solto é porque sabem que me prenderam com mentiras. Eles estão nervosos pela consciência culpada deles, das armações que produziram. Eu não sinto ódio, mas pena pela situação em que essa gente colocou o Brasil para vender nossas riquezas e indignação com o sofrimento que passa o povo brasileiro, com cada vez mais dificuldade de ter um emprego e pagar suas contas. O pavor que os poderosos sentem não é de mim, Lula, mas de terem que ouvir a opinião dos brasileiros em eleições livres. É o povo brasileiro que precisa recuperar sua liberdade democrática!” Lula