Filiado ao PSL, Bolsonaro oficializa candidatura e diz que momento do Brasil é “de chorar”

  • Por Jovem Pan
  • 07/03/2018 20h43
Wilson Dias/Agência BrasilJair Bolsonaro (PSL) afirma que pretende desburocratizar o Brasil

Já em tom de campanha, em evento realizado na Câmara dos Deputados, o deputado Jair Bolsonaro (PSL) apresentou sua filiação ao PSL e lançou oficialmente sua candidatura à presidência. Ao lado de membros das bancadas da Bala e Evangélica, como o deputado Magno Malta, que deve sair como vice, Bolsonaro se colocou como a “forma para buscar a solução do Brasil”.

Logo em seu discurso de abertura, o candidato disse que este era um momento ímpar em sua vida e também lembrou da infância na região do Vale do Ribeira-SP. O ex-general do Exército não poupou críticas aos eventuais adversários e ainda ressaltou: “hoje dá vontade de chorar quando olhamos para o Brasil”.

Bolsonaro se colocou um liberalista e ainda ironizou ao lembrar que “não conhecia economia”, porém fez questão de citar a criação do Imposto Único. “Vamos buscar a desburocratização. Nós, do estado, não podemos atrapalhar quem quer produzir (…) Precisamos ter gente gabaritada em um futuro ministério com civis e militares. Perdemos a confiança do mundo devido aos péssimos governos que tivemos”, criticou.

“O que precisamos para tirar o Brasil dessa situação?”, indagou antes de responder. “parlamentares honestos com deus no coração e patriotas”, completou.

Direitos humanos e desarmamento
Jair Bolsonaro disparou para todos os lados. O candidato atacou a imprensa, os direitos humanos e membros da esquerda, entre eles Lula e  Guilherme Boulos. “A mídia tenta me desqualificar toda hora. Mas tenho humildade para dizer: não sou bom. Só que os outros são muito ruins”, disse.

“Violência se combate com energia, e se for o caso, com mais violência (…) Os marginais do MTST vão ter um candidato a presidente e não vamos negociar uma vírgula com a esquerda. Temos que alijá-los no voto”, completou.

O presidenciável disse ainda que não é contra os gays, mas ressaltou que casamento é reconhecido apenas entre homem e mulher, pois está na Constituição. Somos de direita e respeitamos a família brasileira. Não tenho nada contra homossexual, mas um pai e uma mãe prefere encontrar um filho com braço quebrado por ter jogado futebol do que vê-lo brincando de boneca na escola”, finalizou.