Temer divulga vídeo em que contesta críticas de Alckmin ao governo federal: ‘fale a verdade’

  • Por Jovem Pan
  • 06/09/2018 08h45
Reprodução/Twitter @MichelTemero vídeo, que tem duração de quase dois minutos, o atual presidente diz que, quando alentou o tucano em eleições anteriores, Alckmin era "diferente"

Na noite em que a Polícia Federal concluiu que o presidente Michel Temer recebeu propina da Odebrecht, o emedebista publicou em seu Twitter um vídeo que contesta as críticas que o candidato pelo PSDB ao Palácio do Planalto, Geraldo Alckmin, tem feito ao governo federal.

No vídeo, que tem duração de quase dois minutos, o atual presidente diz que, quando alentou o tucano em eleições anteriores, Alckmin era “diferente”.

O emedebista também critica o candidato do PSDB ressaltando que os ministérios da Saúde, da Educação e da Indústria e Comércio foram comandados por PP, DEM e PRB, respectivamente, partidos que hoje sustentam a candidatura de Alckmin.

“Não atenda ao que dizem seu marqueteiros! Atenda apenas à verdade! E a verdade significa que nós fizemos muito por essas áreas conduzidas por aqueles que hoje apoiam sua candidatura”, dispara Temer no vídeo.

No programa de Governo de Alckmin, o tucano diz que o país necessita “se livrar” da corrupção, e do Estado “ineficiente”, que “sorve dinheiro do povo por meio de impostos elevados” e oferece serviços públicos de “baixa qualidade”.

“O Brasil precisa se tornar um país mais justo, onde a igualdade de oportunidades seja assegurada pela educação pública de qualidade e por programas sociais que assegurem vida digna aos mais vulneráveis”, completa.

Além disso, o programa de governo também ressalta que “ninguém aguenta mais sustentar” um Estado “caro e ineficiente” que cobra “altos impostos” sem oferecer serviços públicos de qualidade.

O tucano ainda diz que enfrentará essas adversidades realizando uma “profunda reforma” do Estado Brasileiro.

“Vamos combater a corrupção, eliminar privilégios e criar mecanismos de avaliação e de mensuração da qualidade e da eficiência dos serviços públicos”, finaliza.