Temer volta a desafiar opositores a “contestar o que o governo fez”

  • Por Jovem Pan
  • 01/02/2018 11h50 - Atualizado em 01/02/2018 11h55
Reprodução/TV NBRPresidente Michel Temer participou do evento Conexões Caixa nesta quinta e voltou a defender legado de seu governo

Em evento na Caixa Econômica Federal nesta quinta-feira (1º), o presidente Michel Temer (MDB) voltou a citar a eleição presidencial deste ano e desafiou adversários políticos a criticarem programas de seu governo.

Com reprovação de 70% e aprovação de apenas 6% dos brasileiros, segundo a mais recente pesquisa Datafolha, Temer não descartou a possibilidade de concorrer à reeleição e até encomendou pesquisas para avaliar suas possibilidades nas urnas. O presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ) e o ministro da Fazenda Henrique Meirelles (PSD), presente no evento de hoje, chegaram a se colocar como pré-candidatos dispostos a defenderem a agenda reformista do atual governo, mas ainda não receberam o aval explícito de Temer.

Citando o ano eleitoral, Temer disse: “haverá disputas, controvérsias, contrariedades, contestações e é natural que alguns, digamos assim, apoiem o que o governo fez e outros não apoiem e, ao não apoiarem, haverão de contestar o que o governo fez”.

O emedebista citou, como exemplos de supostas benfeitorias de seu governo, o teto dos gastos públicos, a reforma do ensino médio que, segundo Temer, era “anacrônico”, a modernização trabalhista, que “gerou empregos” (embora os dados mostrem que a melhora nos índices de desemprego se deu na informalidade).

“Quem quiser opor-se ao nosso governo terá de dizer: ‘eu sou contra esses ridículos 2,95 (%) na inflação. Eu quero a inflação de 10,5 pontos, 11 pontos'”, disse ainda o presidente. Temer ainda associou a “credibilidade do País” ao recorde da Bolsa de Valores de São Paulo, atingido quando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi condenado em 2ª instância.

“Redenção social” pela Caixa

No evento, Temer elogiou a “função social” da Caixa Econômica.

“Posso dizer sem medo de errar que todos sabemos que a vocação da Caixa supera em muito à de um banco comercial, como acabei de revelar”, afirmou Temer.

A “vertente saudável” da Caixa teria a função de “promover a redenção social” do Brasil. O presidente lembrou quando as pessoas iam à Caixa e “eram atendidos sorridentemente”.

“Na minha ideia sempre prevaleceu a ideia de um órgão voltado para o social, como se fosse uma ‘longa manus’ do governo federal no sentido de promover a redenção social do nosso País”, disse Temer.

Temer também elogiou a união de seus ministros e dos trabalhadores da Caixa.  “Temos uma harmonia muito grande entre os ministros, que trabalham conjugadamente”, afirmou.

“Essa conjugação, essa crença de que todos trabalham pelo Brasil e pelo bem estar brasileiro é que leva o País adiante”, disse Temer. “Não é apenas o presidente da República que faz tudo no País”, declarou.

Apurações

A participação de Temer no evento na Caixa ocorre no dia em que o UOL revelou que a Procuradoria Geral da República apura indícios de que o presidente e seus ministros cometeram crimes relacionados ao banco. Perícia realizada por escritório de advocacia cita Temer e o ministro Moreira Franco (Secretaria-Geral).

Recentemente, Temer afastou quatro vice-presidentes da Caixa envolvidos em investigações de corrupção após pressão do Ministério Público e do BNDES.

Veja os discursos de Temer e Meirelles no evento Conexão Caixa 2018:

Conexão Caixa 2018

#AoVivoPresidente Michel Temer participa do evento Conexão Caixa 2018. Acompanhe:

Publicado por Planalto em Quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018