João Doria cita Bolsonaro e promete governar para ‘todos os brasileiros de São Paulo’

  • Por Jovem Pan
  • 28/10/2018 21h45
ALEX SILVA/ESTADÃO CONTEÚDOAo lado da esposa Bia e do vice Rodrigo Garcia, João Doria discursa pela primeira vez como novo governador de São Paulo

Eleito governador do Estado de São Paulo, João Doria (PSDB) se pronunciou pela primeira vez após a vitória sobre Márcio França (PSB) neste domingo (28) em uma entrevista coletiva no Club Homs, na Avenida Paulista. O tucano fez agradecimentos aos eleitores, apoiadores e familiares, falou de seus planos e aproveitou para esclarecer os rumores sobre sua saída da legenda, que surgiram após o 1º turno ao declarar apoio a Jair Bolsonaro (PSL).

“Estou no PSDB desde 2001, como filiado. E não sou filiado de ocasião, nem para eleição. Eu me filiei ao PSDB porque quis me filiar ao PSDB como empresário. São 18 anos de filiação ao PSDB e vou continuar no PSDB”, afirmou Doria, que agradeceu nomes importantes de seu partido, como Geraldo Alckmin, Fernando Henrique Cardoso, José Serra e Aloisio Nunes.

Em relação ao seu futuro governo, o tucano disse que antes de iniciar o trabalho, é necessário buscar união. Segundo Doria, 2019 não pode começar com o Brasil dividido. Neste momento, ele citou o presidente da República Jair Bolsonaro, eleito também neste domingo. “Eu tenho convicção de que Jair Bolsonaro irá pacificar o Brasil. E no que depender de São Paulo, nós vamos contribuir com essa unificação”, comentou.

Doria revelou uma conversa por telefone com o capitão reformado do Exército ocorrida momentos após sua vitória ter sido confirmada. De acordo com o tucano, Jair Bolsonaro o parabenizou e lhe convidou para uma conversa durante a semana para que seja alinhada uma futura coalização entre governos federal e estadual.

“Com São Paulo ajudando vamos retomar o crescimento do Brasil. A política liberal, a política de Paulo Guedes, que já definiu comigo que fará um pacto federativo. Uma forma mais moderna, mais contemporânea, mais adequada da gestão do dinheiro público. Ao invés do ‘chapéu na mão’ em Brasília, os recursos públicos e as responsabilidades serão distribuídos a cada governador”, disse.

Por fim, o tucano prometeu uma gestão transparente: “A partir de janeiro vamos aposentar a velha política. Uma nova política para gerar investimentos, para gerar empregos. São Paulo sempre foi o líder do Brasil. São Paulo é a terra de todos os brasileiros e assim que nos realizaremos nosso governo. Governar para todos os brasileiros de São Paulo”, concluiu.