Angelina Jolie diz que situação de refugiados do Iraque é a pior desde 2007

  • Por Jovem Pan
  • 28/01/2015 11h27
ANF01. Khanke (Iraq), 25/01/2015.- A handout photograph made available by the United Nations High Commissioner for Refugees (UNHCR) showing UNHCR Special Envoy Angelina Jolie meets members of the Yazidi minority in Khanke IDP Camp, Iraq, on 26 January 2015. Ms Jolie was visiting Syrian refugees and displaced Iraqi citizens in the Kurdistan Region of Iraq to offer support to 3.3 million displaced people in the country and highlight their dire needs. EFE/EPA/ANDREW MCCONNELL / UNHCR / HANDOUT HANDOUT EDITORIAL USE ONLY/NO SALESAngelina Jolie na Africa

A mais recente vista de Angelina Jolie ao Iraque a deixou ainda mais incomodada com a situação de refugiados de guerra. “Visitei o Iraque cinco vezes desde 2007, e não tem  sofrimento igual como o que vi agora”, relatou a atriz e diretora em artigo para o The New York Times.

“Em quase quatro anos de guerra, aproximadamente a metade da população da Síria, de 23 milhões de pessoas, tem sido forçada a deixar seu espaço. Em relação ao Iraque, mais de duas milhões de pessoas fugiram de conflitos e do terror promovido por grupos extremistas”, contabilizou Angelina, nomeada Embaixadora da Boa Vontade da Organização das Nações Unidas (Onu) desde 2001.

No artigo, a esposa de Brad Pitt reportou histórias terríveis das pessoas com que conversou, como de um menina de 13 anos estuprada por homens, de uma mãe que viu a família toda ser assassinada e de outra que teve a filha raptada pelo Estado Islâmico. “Estes refugiados e pessoas deslocadas testemunharam uma indescritível brutalidade. Seus filhos estão fora da escola e lutando para sobreviver. Essas pessoas estão cercadas pela violência por todos os lados”, acrescentou.

O texto termina com a conclusão de que a Onu repassa verbas insuficientes para manutenção dos campos de refugiados.