Bill Cosby nega acusações de assédio sexual; entenda o caso

  • Por Jovem Pan
  • 22/07/2015 10h22

Bill Cosby

Wikimedia commons Bill Cosby

Desde meados de novembro de 2014, o comediante Bill Cosby vem passando por maus bocados. Tudo começou quando a atriz Barbara Bowman decidiu ir a público acusando Cosby de tê-la estuprado em 1985, quando tinha 17 anos e tentava se firmar na carreira artística. Segundo ela na ocasião, o comediante teria a dopado e depois abusado sexualmente dela, que acordou “confusa e sem roupa”.

Em reposta, Cosby contou a sua versão dos fatos, dizendo que, na verdade, ela havia se embebedado, só que não parou aí. Mais sete mulheres acusaram o comediante de abuso sexual, o que foi prejudicando seriamente a carreira de Bill. A NBC, por exemplo, cancelou seu programa e a Disney retirou seu tributo a ele dos parque temático em Orlando.

Oito meses depois, chegou a hora do julgamento de Bill Cosby, conhecido como “o pai da América”. Nesta terça-feira (21), um documento acessado pela revista ‘People’ revela alguns argumentos utilizados pelo advogado de defesa do comediante. De acordo com ele, o fato de Bill Cosby ter dado Quaaludes (uma droga popular nos anos 1970) para uma mulher com quem tinha relações sexuais com consentimento refuta que ele teria abusado da atriz.

“Quaaludes eram muito populares nos anos 1970, chamadas de ‘biscoitos do disco’ e conhecidas como estimulante sexual”, diz o documento do julgamento de Bill Cosby. “Existem incontáveis celebridades, astros da música e socialites que usaram Quaaludes nos anos 1970 como estimulante em relações sexuais consensuais”.

Assim, a única confissão de Cosby foi que ele utilizava o estimulante sexual nos anos 1970, negando todas as outras acusações.