Com 7 dias, “Narcos” já tem 2ª temporada; veja 7 séries sem a mesma sorte

  • Por Beatriz Coppi/Jovem Pan
  • 04/09/2015 17h08
Reprodução Com Wagner Moura nas primeiras temporadas, "Narcos" é a campeã de audiência na Netflix

No último dia 28 de agosto, a série “Narcos” estreou no Netflix. Repetindo a parceria entre Wagner Moura e o diretor José Padilha, sucesso absoluto nos dois filmes “Tropa de Elite”, a produção sobre o traficante colombiano Pablo Escobar também abalou as estruturas da internet. Tanto que, apenas uma semana depois já foi renovada para ter uma segunda temporada.

Por outro lado, não são todas as produção televisivas que têm essa mesma sorte. Várias séries também tinham tudo para dar certo, mas não conseguiram ter mais de uma temporada. Para quem duvida, a Jovem Pan mostra algumas que não conseguiram fazer sucesso com os espectadores.

Awake (2012)

De março até maio de 2012, o ator britânico Jason Isaacs (o Lucio Malfoy da saga “Harry Potter”) estrelou a série “Awake”, em que interpretava o detetive Michael Britten, que passa por um grande trauma. Depois de sofrer um acidente de carro, junto com sua esposa e filho, ele fica preso entre duas dimensões: em uma sua esposa morreu e, na outra, o filho. Ele muda de uma para a outra quando dorme e em cada uma ele consegue dicas que se complementam para lhe ajudar em casos do trabalho e a entender o seu acidente.

Criada por Kyle Killen, o programa foi produzido pela Teakwood Lane Productions, Le11er Eleven e a 20th Century Fox Television, com Killen, Jeffrey Rainer e Howard Gordon de produtorses executivos. Além disso, contou também com Laura Allen, Wilmer Valderrama e Cherry Jones no elenco. Mesmo assim, a série não passou da primeira temporada, que durou apenas 13 episódios.

Freaks and Geeks (1999)

Entre muitas outras coisas, vale destacar em primeiro lugar que a série é estrelada por ninguém menos que James Franco, Busy Philips (“As Braquelas”) e Seth Rogen (o Marshall de “How I Met Your Mother”, em seus 21, 20 e 19 anos.

Produzida pela NBA, a série foi transmitida no Brasil pelo Multishow e contou com a direção de ninguém menos que Paul Feig. A história girava em torno da protagonista Lindsay Weir, que, depois de perder o avô, deveria fazer novos amigos. Apesar da história de drama, que costuma agradar o público, a série não resistiu mais de 18 episódios.

Terra Nova (2011)

Produzida pela FOX em 2011, “Terra Nova” tinha tudo para fazer o maior sucesso com o público: dinossauros, viagens no tempo, armas futuristas e afins. Mas algo não deu certo, porque a série sobreviveu por apenas 13 episódios. Não teve jeito nem com a barba do Stephen Lange.

A história se passa em 2149, em um cenário pós-apocalíptico quando, para salvar a espécia humana, cientistas descobrem como viajar pelo tempo. Como se não bastasse, o programa contou com Steven Spielberg (“Jurassic Park”, “E.T.” E “De Volta para o Futuro”) na produção.

Profit (1996)

Produzida nos Estados Unidos pela Fox e estrelada por Adrian Pasdar (“Heroes”), a série resistiu por oito episódios. Contando a história do homem inescrupuloso e psicopático Jim Profit, o programa não conseguiu ficar nos corações dos espectadores, ainda que vilões normalmente sejam a fórmula do sucesso de muitos programas.

Dirigida por David Greenwalt e John McNamara, a série acabou influenciando outras produções posteriores, justamente pelo perfil do protagonista. A quem gostava da atração, resta acreditar que no final dos anos 1990 o público ainda não estava pronto para isso.

The Flash  (1990)

Um dos super heróis mais famosos do mundo, o Flash não ganhou em 2014 a sua primeira série. Já haviam tentado contar a história do personagem na década de 1990, só que não deu certo. Produzida pela CBS, a atração não conseguiu passar da primeira temporada, ainda que tenha resistido bravamente: chegou a ter 21 episódios.

Estrelada por John Wesley Shipp, o programa contou com James A. Contner e Gilbert M. Shilton na direção, além do roteiro nas mãos de Harry Lambert. O roteirista, na verdade, foi apontado como um dos problemas, por ter deixado a série muito infantil.

Almost Human (2013)

Transmitida pela FOX, a série de ficção científica conseguiu durar uma temporada de 13 episódios. Criada por J. H. Wyman e produzida pela Bad Robot Productions com a Warner Bros (geralmente uma fábrica de sucessos), a atração se passava em 2048.

Para combater a altíssima taxa de criminalidade, cada policial começa a ter um parceiro robô (sentimentos de “Robocop”) e, à la Will Smith em “Eu Robô”, o oficial John Kennex odeia seu parceiro, porque ele abandonou a cena de um crime pelas baixas chances de sobrevivência. Dado o sucesso de “Robocop” e “Eu, Robô”, era de se esperar que uma série que misturasse os dois abalasse as estruturas, mas não foi o caso.

Trophy Wife (2013)

Com grande elenco e história cheia de situações no mínimo desconfortáveis, “Trophy Wife” tinha tudo para dar certo. Ao se casar com um homem que já tem três filhos e duas ex-mulheres, a personagem de Malin Åkerman tinha tudo para provocar muitos risos nos telespectadores, mas, aparentemente, alguma coisa ficou faltando.

A nova família moderna e complicada de Kate sobreviveu por apenas uma temporada de 22 episódios.