Com o axé-nkenda, Cahê Rodrigues quer trazer reflexão sobre o racismo para o carnaval 2015

  • Por Jovem Pan
  • 30/12/2014 14h41
Reprodução/Facebook Cahê Rodrigues acredita que com o amor o preconceito racial deve acabar

O carnavalesco Cahê Rodrigues espera com ansiedade pelo Carnaval 2015. Ele adianta que o enredo da Imperatriz Leopoldinense vai fazer muita gente refletir sobre a igualdade racial, e espera que através do amor as mudanças na sociedade possam acontecer. “É um enredo lindo, de exaltação da figura do negro, onde a gente pretende emocionar”, descreve ele, que acredita na força do axé-nkenda para a busca da liberdade. A palavra nkenda significa amor no dicionário africano Kibundu.

Cahê conta que a inspiração para o projeto carnavalesco da escola de samba nasceu do episódio de racismo contra Daniel Alves que aconteceu em abril de 2014, quando uma banana foi jogada ao campo de futebol e o mundo inteiro se incomodou com a cena.

“Abalou o Brasil, o mundo inteiro ficou chocaco, e é através desse acontecimento que vários assuntos sobre racismo e igualdade racial saíram da gaveta”, afirma. Ele conta que o acontecimento marcou o presidente da escola, e dali surgiu a ideia de falar sobre o preconceito.

Além disso, segundo ele, desde a morte de Nelson Mandela nenhuma grande homenagem foi feita à altura da vida dele. “Nasceu a ideia de falar de um carnaval onde a figura do negro seria exaltada, tendo como porta-voz dessa mensagem Nelson Mandela, dando voz aos negros que clamam diariamente por igualdade, liberdade e respeito”, resumiu ele.