Dá para salvar? Lembre 5 filmes que tiveram diretores e atores trocados

  • Por Júlia Paolieri/ Jovem Pan
  • 23/06/2017 17h00
Reprodução Filmes que também tiveram diretores e atores trocados - Reprodução

A semana foi marcada por uma grande reviravolta no mundo do cinema. Phil Lord e Chris Miller, que estavam no comando do filme de Han Solo, deixaram a produção por “diferenças criativas” com Kathleen Kennedy, presidente da Lucasfilm.

A notícia pegou todos de surpresa visto que as filmagens do spin-off de “Star Wars” já estavam em andamento e, em toda produção, a troca de um diretor tem grande impacto no desenrolar do filme.

Dois dias depois, Ron Howard foi anunciado como o novo diretor do filme e foi considerado uma escolha “chata e previsível” para o spin-off. Ainda assim, o diretor de filmes como “Apollo 13 – Do Desastre ao Triunfo”, “Uma Mente Brilhante”, “Rush – No Limite da Emoção” e outros grandes títulos, pode ter muito a acrescentar à produção e não deve decepcionar os fãs.

De acordo com a Entertainment Weekly, Lord e Miller teriam sido demitidos da produção por optarem por seguir uma linha cômica demais para o filme, com muitos improvisos dos atores. Como é de costume da Lucasfilm e da saga “Star Wars”, os filmes têm sua comicidade, mas seguem o tom mais sério. Por isso a escolha “segura” de Howard deve ser certeira sem cair no monótono.

A substituição de diretores no meio das filmagens e produção não é incomum em Hollywood. Na verdade, muitos sucessos de bilheteria passaram por momentos conturbados e diretores e atores já anunciados tiveram que ser substituídos.

Para ilustrar que uma grande substituição de diretores e atores no meio da produção de um filme não implica em fracasso, reunimos 5 grandes sucessos que passaram por isso.

Confira:

… E o Vento Levou

Um dos filmes mais clássicos e prestigiados do mundo do cinema passou pela troca das cadeiras dos diretores e isso não aconteceu somente uma vez ao longo da produção: 3 diretores diferentes comandaram o filme, que teve uma produção bem conturbada. O primeiro a assumir o posto foi George Cukor, que foi demitido do filme depois de brigar com os produtores sobre o ritmo que o filme deveria ter. Victor Fleming foi o substituto contratado, mas sua direção não demorou a ser trocada mais uma vez e Sam Wood, que não foi creditado por seu trabalho, concluiu as filmagens.

O Hobbit

A trilogia famosa pelas mãos de Peter Jackson quase foi dirigida por outro cineasta: Guillermo del Toro. O diretor passou 2 anos trabalhando na pré-produção do filme, mas se retirou do projeto alegando incompatibilidade de agendas. O substituto escolhido foi Peter Jackson, responsável por uma das franquias mais rentáveis do cinema. Mesmo sem assumir a direção, del Toro foi creditado no filme como roteirista e consultor de projeto.

Spartacus

Por pouco, Stanley Kubrick não teve seu nome no comando do filme de 1960. Isso porque Anthony Mann foi o responsável por dirigir as filmagens do clássico e gravou diversas cenas antes de ser dispensado por Kirk Douglas, que não estava satisfeito com o trabalho do diretor. Douglas se preocupou que a direção de Mann não tivesse a visão artística que ele desejava. Assim, ele demitiu Mann e contratou Kubrick.

De Volta Para o Futuro

Michael J. Fox teve a carreira marcada pelo personagem Marty McFly de “De Volta Para o Futuro”, mas é surpreendente pensar que o ator não foi a primeira escolha para o papel. Pelo contrário. O ator Eric Stoltz não só foi escalado para viver McFly como gravou cenas por 5 semanas quando o diretor da produção, Robert Zemeckis, o dispensou e chamou Fox por acreditar que Stoltz não estava vivendo o personagem como ele esperava. “Stoltz não trazia o humor que queríamos para o papel”, explicou.

Thor: O Mundo Sombrio

Diretora responsável por “Mulher Maravilha”, Patty Jenkins quase dirigiu outro filme de herói anos atrás: “Thor: O Mundo Sombrio”. A diretora estava confirmada pela Marvel para comandar a produção, que estava em andamento, quando decidiu deixar o filme por “diferenças criativas”. Recentemente, ela explicou o motivo que a fez abandonar: “seria um desserviço às mulheres. Se eu assumir um posto sabendo que será uma enrascada e parecer ruim por minha causa, isso seria um problema”. Sem Jenkins, Alan Taylor ficou responsável pelo filme que arrecadou US$645 milhões em todo o mundo.