“É uma alegria muito grande”, diz compositor da Pérola Negra sobre abrir Carnaval em SP

  • Por Jovem Pan
  • 05/02/2016 23h04
Pérola Negra

Vice-campeã do Grupo de Acesso do Carnaval de São Paulo, a Pérola Negra terá a missão de abrir a primeira noite de desfiles.

Com o enredo “Do Canindé ao samba no pé. A Vila Madalena nos passos do balé”, desenvolvido pelo carnavalesco Fábio Borges a agremiação promete um desfile muito colorido.

Em entrevista a repórter Cris Santos, Jairo Roizen falou sobre a sua estreia como compositor de samba enredo: “é uma alegria muito grande. Depois do desfile eu vou poder contar como foi a trajetória completa”.

E sua história no samba começou com o seu pai, que foi a um desfile e não o levou. “Meu pai foi assistir, não me levou e eu fiquei bravo. Fiquei assistindo na televisão e meu pai viu que eu fiquei bravo e me levou no dia seguinte (…) Gosto de contar enredo, de contar história. Fiz três sambas-enredo e fiz dois campeões e vou ter a alegria de ouvi-los”, revelou.

Jairo Roizen emplacou dois sambas-enredo, um na Pérola Negra e outro na Unidos do Peruche. Seu parceiro na Unidos do Peruche, Roni, afirmou que ganhar um samba-enredo ao lado de Jairo é “algo totalmente diferente”. “Vai ter uma mescla de emoções. O lado jornalístico e o lado apaixonado”, contou.

Atrás da comissão de frente, vem uma ala coreografada da Pérola Negra. O Jean, coreógrafo da escola contou que nada menos de 28 bailarinas desfilam no setor, além de uma em destaque. “O tema da Pérola Negra fala justamente sobre o balé, e a coisa mais incrível foi poder reunir dentro desse grupo de balé elenco da primeira, segunda e terceira idade”, comentou. “Pessoas que já pararam de dançar, mães, filhas, tudo junto”.

Sobre unir o samba e o balé na avenida, estilos de dança em teoria bastante distintos, ele ainda destacou que “dá um samba incrível”. “O Brasil tem um grande potencial de dança e a nossa raiz, que é o samba, tem que ser mesclado a isso”, defendeu o coreógrafo.