Exposição espanhola desembarca no Brasil unindo gastronomia e design

  • Por Agencia EFE
  • 16/09/2015 11h00

Alba Santandreu.

São Paulo, 16 set (EFE).- “Cozinhar é desenhar pratos”, diz o chef espanhol Ferran Adrià: a fusão entre a gastronomia e a criatividade é exatamente a proposta da mostra “Tapas: Spanish Design for Food”, que ficará em exibição em São Paulo até o próximo dia 8 de novembro, no Museu Casa Brasileira.

Após um périplo que a levou por Tóquio, Madri, Estados Unidos e México, a exposição agora apresenta ao público brasileiro a importância do design na evolução da gastronomia espanhola através de mais de 200 objetos usados para preparar ou desfrutar de uma refeição.

A melhor almotolia do mundo, projetada por Rafael Marquina em 1969; um alguidar construído com sedimentos do café e um totó transformado em mesa são alguns dos objetos que ilustram na exposição o “desenvolvimento da cultura gastronômica” na Espanha.

“O design se colocou a serviço da experiência de comer”, explicou à Agência Efe o arquiteto e designer Juli Capella, curador da exposição, que foi aberta na terça-feira pelo embaixador da Espanha no Brasil, Manuel de La Camara Hermoso.

É nessa união entre a comida e o design na qual Adrià, nomeado cinco vezes o melhor chef do mundo, teve um papel fundamental.

“Ferran Adrià marcou um antes e depois do ponto de vista criativo. Ele volta a interpretar o passado acrescentando distintas disciplinas, entre elas o design”, destacou Capella.

A mostra apresenta alguns dos objetos planejados por Adrià, mas também deixa espaço para a criação de outros dos grandes da culinária espanhola, como Joan Roca e Juan Mari Arzak, nomes de peso que a “Tapas” coloca ao lado de artistas como Antoni Miralda e Javier Mariscal.

A exposição, que pela primeira vez é realizada na América do Sul, é dividida em três espaços. No primeiro, “Tapas” abre as portas da cozinha e apresenta a evolução dos recipientes, entre eles a famosa moringa, tão apreciada pelo diretor de cinema espanhol Josep Joan Bigas Luna.

No segundo, o protagonista é a mesa, e nela o design chega pelos talheres, como os idealizados pelo restaurante El Bulli, de Ferran Adrià, em colaboração com o projetista industrial suíço Luki Huber, que vive na Espanha.

No terceiro é prestada uma homenagem à comida espanhola: os “chupa-chups” – cujo logo foi desenhado por Salvador Dali -, a paella, o chocolate e também as tapas espanholas, “o santo e a senha” da cozinha do país.

Suas origens remontam à Idade Média, quando nas tavernas eram utilizadas rabanadas de pão para tapar uma jarra, evitando, portanto, a entrada de migalhas no recipiente. Porém, o tempo deu espaço a uma versão mais sofisticada, na qual se fundem o design e a gastronomia.

Para o curador, a mostra, apresentada pela Ação Cultural Espanhola, não serve só para “divertir e instruir”, mas também pode inspirar o Brasil, “um país rico em gastronomia”.

“O Brasil é uma sociedade em rápida evolução, uma grande tradição e muito cuidado com o design, tem grandes arquitetos. Essa mostra vai servir de revulsivo”, ressaltou Capella.

Por causa da exposição, a embaixada da Espanha no Brasil lançará em outubro a “Tapas Week”, uma semana na qual o tira-gosto será oferecido em diferentes restaurantes de São Paulo. EFE

ass/lvl/rsd