Morte de ator coreano é a terceira em dois meses entre artistas do país

Ator Cha In-ha, de 27 anos, foi encontrado morto nesta terça (3)

  • Por Jovem Pan
  • 03/12/2019 12h23
Reprodução/InstagramAtor Cha In-ha, de 27 anos, foi encontrado morto nesta terça (3)

O ator coreano Cha In-ha, de 27 anos, foi encontrado morto na manhã desta terça-feira (3). A informação foi confirmada pela agência que o representava, Fantagio, através de uma nota à imprensa, mas sem especificar o local e as circunstâncias da morte do artista.

“Nós estamos devastados em confirmar notícias tão infelizes e de partir o coração. No dia 3 de dezembro, o ator Cha In-ha nos deixou. Nós estamos verdadeiramente de coração partido em informar isso para todos que enviaram muito amor e apoio ao Cha In-ha até hoje”, diz o comunicado.

Cha In-ha, cujo nome verdadeiro era Lee Jae-ho, estreou no mundo do entretenimento sul-coreano em 2017, após ingressar na Fantagio como parte do grupo de atores “SURPRISE U”. Ele participou das séries “The Banker”, “Miss Independent Ji Eun 2” e, atualmente, atuava em “Love With Flaws”.

Ainda no comunicado, a agência pede “para que rumores não sejam espalhados” sobre a causa da morte de In-ha, acrescentando também que “especulações não sejam publicadas para que a família dele, que está passando por uma tristeza ainda maior devido a notícia triste e repentina, consiga se despedir pacificamente.”

Mortes entre artistas sul-coreanos

Nos últimos dois meses, outras dois jovens artistas da Coreia do Sul morreram. Em outubro, a cantora de k-pop Sulli, de 25 anos, foi encontrada já sem vida pelo seu empresário no apartamento que residia em Seongnam, cidade sul-coreana. As investigações iniciais apontavam para suicídio.

No dia 24 de novembro, a cantora Goo Hara – um dos nomes mais populares do K-pop – foi encontrada morta em sua casa, em Seul. A artista tinha 28 anos e ganhou notoriedade ao integrar o grupo Kara entre 2008 e 2015.

Em março, Goo Hara tinha sido internada por tentativa de suicídio e, de acordo com a imprensa sul-coreana, essa era principal linha de investigação sobre sua morte.