Padre Fábio de Melo se desculpa após ironizar macumba em missa

  • Por Jovem Pan
  • 10/05/2018 14h10
Reprodução Padre Fábio de Melo O padre teve um discurso de intolerância durante uma cerimônia e pediu desculpas em comunicado

O Padre Fábio de Melo entrou numa polêmica durante uma missa realizada no mês de abril e que teve seu vídeo divulgado nessa quinta-feira (10). Enquanto fazia uma cerimônia religiosa, ele ironizou a macumba e disse que comeria a comida de um despacho, caso estivesse fresca.

“Com todo respeito a quem faz macumba, pode fazer, pode deixar na porta da minha casa que, se estiver fresco, a gente come”, disse numa missa realizada em 8 de abril.

Ele ainda falou aos fiéis sobre ter medo de macumba. Ele os criticou, afirmando que eles não acreditam na força de Jesus Cristo se pensam que serão atingidos por energias negativas.

“Se você achar que uma galinha preta na porta da sua casa com um litro de cachaça e uma farofa de banana tem o poder de trazer destruição na sua casa, na sua vida, você não conhece a força do Cristo ressuscitado”, completou.

Em comunicado divulgado após toda a repercussão, o Padre Fábio de Melo se desculpou e fez questão de ressaltar que sempre apoiou todos os tipos de religião.

Confira abaixo:

Sempre manifestei publicamente o meu respeito a todas as religiões. O candomblé fez parte da minha origem. Nunca quis ofender ou desmerecer quem quer que seja. Apenas expressei, durante uma celebração cristã, convicções cristãs. Peço perdão aos que se sentiram ofendidos. Eu não sou proprietário da verdade. Eu estou em busca dela. Quero o esclarecimento espiritual que me coloque ao lado de todos. Diferentes e iguais a mim. Somos irmãos e não me sinto melhor que ninguém. Se fui infeliz na forma como expressei o meu não crer, perdoem-me.

Já fiz um contato com o babalorixá Ivanir dos Santos. Ele foi extremamente gentil comigo. Nosso desejo é esclarecer que tolerância religiosa não significa abrir mão do que cremos ou não cremos, mas conviver harmoniosamente, colaborando na construção de um mundo melhor.

O mundo já está dividido demais para que criemos outras divisões a partir de nós.