Giovanna Ewbank diz que adotar Títi a fez entender o racismo no Brasil

  • Por Jovem Pan
  • 26/09/2017 16h34
Atriz ao lado da filha, Títi, e do marido, o também global Bruno Gagliasso

Em 2015, Giovanna Ewbank e Bruno Gagliasso viajaram de férias ao Malawi, na África. Na ocasião, adotaram a pequena Títi, hoje com 4 anos de idade, em uma visita a um abrigo de órfãos. Nesta terça-feira (26), a atriz compartilhou um vídeo em seu canal do YouTube em que falou mais sobre sua relação com a filha e disse que ela acabou abrindo seus olhos para a questão do racismo no Brasil.

“A Títi chegou já me ensinando uma porrada de coisa. Chegou fazendo um furacão na minha vida. Eu sempre soube que existia desigualdade racial, preconceito, mas não estava perto de mim, não tinha essa noção. Hoje, quando entro em um restaurante, quero ver quantos negros estão sentados comendo no mesmo restaurante que eu. Nos ambientes em que eu estou, quero ver quantos negros e negras estão ali comigo”, afirmou.

A global declarou, por fim, que seu objetivo de vida é que sua filha cresça “feliz e empoderada” e sirva de inspiração para outras crianças e mulheres negras.

“Quero tentar pelo menos alertar as pessoas que sabem que existe a desigualdade racial, assim como eu sabia, mas alertar para que façam alguma coisa. Eu sabia e não fazia, porque não estava ao meu redor. Nunca fui racista, mas não fazia nada por isso. Hoje o que mais quero é abrir os olhos e alertar a população para a desigualdade racial, essa questão. Acho que a Títi tem muita importância nessa questão. Sem querer, ela já movimentou a minha vida e de várias pessoas. Deus não faz nada por acaso, ele precisou dar uma chacolhada em mim, no Bruno e nas pessoas ao nosso redor”, disse.