José Mayer assume erro e pede desculpas à figurinista e colegas

  • Por Jovem Pan
  • 04/04/2017 14h04
José Mayer como o personagem Tião

José Mayer divulgou uma carta aberta, publicada no site da “Veja”, na tarde desta terça-feira (4), em que assume o assédio sexual do qual foi acusado pela figurinista da Rede Globo, Susllem Tonani. O ator aproveitou para pedir desculpas pelo seu erro e se disse fruto de uma geração machista.

O ator começa afirmando que desculpas pelo seu ato não bastam, e sim que haja um reconhecimento público. Mayer acredita que aprendeu durante os anos a disfarçar atitudes machistas, invasivas e abusivas como brincadeiras.

“Tristemente, sou sim fruto de uma geração que aprendeu, erradamente, que atitudes machistas, invasivas e abusivas podem ser disfarçadas de brincadeiras ou piadas. Não podem. Não são”, comentou.

O veterano de 67 anos espera que o reconhecimento de seu erro sirva para que pessoas da mesma geração e com o mesmo pensamento errôneo possam refletir e buscar mudanças da forma como veem as mulheres.

“Espero que este meu reconhecimento público sirva para alertar a tantas pessoas da mesma geração que eu, aos que pensavam da mesma forma que eu, aos que agiam da mesma forma que eu, que os leve a refletir e os incentive também a mudar”, disse.

Na manhã desta terça-feira, diversas atrizes iniciaram uma campanha contra o assédio sexual como forma de protesto pela atitude de Mayer.

Confira a carta na íntegra:

“Carta aberta aos meus colegas e a todos, mas principalmente aos que agem e pensam como eu agi e pensava:

Eu errei.

Errei no que fiz, no que falei, e no que pensava.

A atitude correta é pedir desculpas. Mas isso só não basta. É preciso um reconhecimento público que faço agora.

Mesmo não tendo tido a intenção de ofender, agredir ou desrespeitar, admito que minhas brincadeiras de cunho machista ultrapassaram os limites do respeito com que devo tratar minhas colegas. Sou responsável pelo que faço.

Tenho amigas, tenho mulher e filha, e asseguro que de forma alguma tenho a intenção de tratar qualquer mulher com desrespeito; não me sinto superior a ninguém, nao sou.

Tristemente, sou sim fruto de uma geração que aprendeu, erradamente, que atitudes machistas, invasivas e abusivas podem ser disfarçadas de brincadeiras ou piadas. Não podem. Não são.

Aprendi nos últimos dias o que levei 60 anos sem aprender. O mundo mudou. E isso é bom. Eu preciso e quero mudar junto com ele.

Este é o meu exercício. Este é o meu compromisso. Isso é o que eu aprendi.

A única coisa que posso pedir a Susllen, às minhas colegas e a toda a sociedade é o entendimento deste meu movimento de mudança.

Espero que este meu reconhecimento público sirva para alertar a tantas pessoas da mesma geração que eu, aos que pensavam da mesma forma que eu, aos que agiam da mesma forma que eu, que os leve a refletir e os incentive também a mudar.

Eu estou vivendo a dolorosa necessidade desta mudança. Dolorosa, mas necessária.

O que posso assegurar é que o José Mayer, homem, ator, pai, filho, marido, colega que surge hoje é, sem dúvida, muito melhor.

José Mayer”