Morre Carlos Manga, o diretor de clássicos como “Os Trapalhões”

  • Por Jovem Pan
  • 17/09/2015 21h28

Carlos Manga morre aos 87 anos

Carlos Manga morre aos 87 anos

Nesta quinta-feira (17), o diretor José Carlos Aranha Manga faleceu no Rio de Janeiro. Aos 87 anos, ele desfalcou a dramaturgia brasileira após a produção de cerca de 32 filmes, sendo vários deles grandes clássicos do cinema brasileiro. Um dos principais diretores do período de ouro, a década de 1950, ele esteve à frente de filmes como “Nem Sansão nem Dalila” (1954), “Matar ou Correr” (1954) e “O Homem do Sputnik” (1959) e “A Dupla do Barulho” (1953)

Na década de 1980, ele começou a trabalhar com a Rede Globo e, por lá, também trabalhou em grandes clássicos, como “Os Trapalhões”, estrelado por Renato Aragão (o Didi), Zacarias, Dedé Santana e, por último mas não menos importante, o Mussum.

Já como diretor artístico, ele ficou responsável pela claquete de várias minisséries da emissora “Engraçadinha… Seus Amores e Seus Pecados” (1995), baseada na obra de Nelson Rodrigues, “A Madona de Cedro” (1994), adaptada por Walther Negrão a partir do romance homônimo de Antonio Callado e “Incidente em Antares” (1994), baseada na obra de Erico Verissimo. Ainda na Rede Glogo, ele também dirigiu novelas da emissora que são lembradas até quase 20 anos depois, como “Anjo Mau” (1997) e “Torre de Babel” (1998).

Não satisfeito, ele também comandou os bastidores do “Domingão do Faustão” logo no começo do programa de auditório, além das nostálgicas séries “Sandy & Junior” (1999) e “Sítio do Picapau Amarelo” (2001).

Como se não bastasse, ele também fez trabalhos como ator na Rede Globo: na novela “Belíssima” (2006), como ele mesmo, no seriado “Afinal, O que Querem as Mulheres?” (2010) e em Dercy de Verdade (2012), dedicado  contar a história da inesquecível Dercy Gonçalves.