Morre o cantor Nelson Ned por complicações de pneumonia

  • Por Agencia Brasil
  • 05/01/2014 13h39

Ned se apresentou em programas de rádio e TV durante a década de 1980, alcançando alta popularidade. (Expansão Cultural / Creative Commons)

O cantor e compositor Nelson Ned morreu na manhã deste domingo (5) em Cotia (SP). Ele deu entrada no último sábado (4) no Hospital Regional de Cotia com um quadro de pneumonia que, segundo a assessoria de imprensa do hospital, já era grave. A assessoria também informou que o músico recebeu tratamento, mas acabou não resistindo e foi a óbito aos 66 anos.

Nascido em 1947, na cidade de Ubá (MG), o cantor iria completar 67 anos no dia 2 de março.

Ned era considerado o único cantor anão na mídia brasileira. Sua carreira começou na década de 1960, com gravações românticas como “Eu sonhei que tu estavas tão linda” e “Prelúdio à volta”, além de sua composição “Tamanho não é documento”, referindo-se a sua estatura. No ano de 1960, foi o vencedor do “”I Festival de la Canción”, que aconteceu em Buenos Aires. Na ocasião, Ned interpretou sua famosa composição “Tudo passará”.

Leia mais:

Sesc faz campanha contra sedentarismo em São Paulo

Ariel Sharon continua em risco de morte iminente

Fim ao preconceito nas relações de trabalho será votada no Congresso em março
 

Ele támbém se apresentou em programas de rádio e TV durante a década de 1980, alcançando alta popularidade. Fez shows nos Estados Unidos e em diversos países da Europa e da África.

Como compositor, teve suas composições gravadas por Antônio Marcos, Moacir Franco, Agnaldo Timóteo, entre outros. Nelson Ned também foi o primeiro artista latino-americano a vender um milhão de discos nos Estados Unidos.

A partir de 1993, ele passou a gravar somente músicas religiosas, devido a sua conversão à igreja evangélica.

Em 2003, ele sofreu um acidente vascular cerebral e, desde então, morava em uma clínica de repouso em São Paulo.

Nelson Ned teve sua história de vida relatada na obra do escritor Jefferson Magno Costa, entitulada “O pequeno gigante da canção”, lançada em 1996.