Banda Defalla critica Lei Rouanet: "não existe para quem está começando"

  • Por Jovem Pan
  • 04/05/2016 13h16
Eduardo Mainardi/Jovem Pan

Depois de 14 anos de hiato, a banda Defalla finalmente está de volta. Nesta quarta-feira (4), o grupo porto-alegrense formado em 1985 deu mais detalhes sobre o seu próximo álbum, batizado de “Monstro” e comentou sobre a polêmica Lei Rouanet, que visa incentivar financeiramente a cultura brasileira.

Para a banda, essa lei não ajuda quem os artistas que estão começando, mas apenas os famosos que não precisam de todo o incentivo para buscar seu lugar ao sol. Eles indicam que esses artistas iniciantes saiam para a rua para conseguir vencer o sistema.

“Eu acho que quando você fala lei, você já falou um palavrão. Todo o sistema judiciário é falho, ultrapassado e corrupto. Os grandes já tem grana, essa lei não existe para quem está começando. As bandas deveriam ir para a rua. Sai do sistema e faz as coisas do seu jeito”, disseram.

Após anos sem lançar nada inédito, o Defalla está lançará o álbum “Monstro”, nesse mês de maio. O desenvolvimento vem acontecendo há cinco anos. A banda explicou que o título tem tudo a ver com o estilo deles, que mistura diversas vertentes da música.

“Monstro é uma coisa que todos temos dentro de nós. Somos todos monstros e também tem a ver com a ideia do Frankenstein, que são as nossas músicas, cheia de partes de rock, funk, jazz. Algo descontrolado”, explicaram. “Esse Monstro está sendo feito desde de 2011. Começamos com gravações no estúdio, cada um levava uma ideia para o outro. Esse Monstro demorou para ser feito”, completou.

O novo disco “Monstro”, traz participações especiais de grandes nomes, como Pitty, Humberto Gessinger (Engenheiros do Havaí) e Beto Bruno (Cachorro Grande).