Ex-mulher prepara dossiê de 400 páginas contra Biel e revela detalhes das agressões

  • Por Jovem Pan
  • 06/05/2018 13h45
Reprodução/Instagram

A modelo Duda Castro, 26 anos, quebrou o silêncio sobre as denúncias de agressão contra seu ex-marido, o cantor Biel, e revelou detalhes dos abusos em uma entrevista exclusiva ao jornal Extra. “Todo dia ele me mandava embora da casa dele e à noite pedia desculpas. Para os amigos, dizia que eu era louca, que estava separado, mas a gente ainda estava casado. Vivíamos esse inferno, mas estávamos juntos (…). Só agora consegui entender que eu estava vivendo um relacionamento abusivo. Biel é uma pessoa completamente perturbada”, disse ela à publicação.

De acordo com a jovem, o primeiro surto do músico aconteceu no aniversário dele do ano passado, dia 20 de março de 2017, quando ele teria ficado irritado ao ser cumprimentado por outro homem com um beijo. “Já tinha aqueles boatos de que ele era gay e eu sabia que esses boatos incomodavam ele”, afirmou Duda. Biel, alcoolizado, pegou um quadro e atirou contra a parede e, em seguida, jogou uma garrafa de uísque no meio dos convidados.

Já a primeira agressão, segundo a entrevista, aconteceu quando ela pegou o celular dele e descobriu que ele a traía com outras mulheres. “Ele me derrubou no chão, arrancou o celular da minha mão e me segurou pelos cabelos, começou a chacoalhar. Foi a primeira vez que ele me agrediu e não parava, com força. Ele estava possuído, tive que dar um tapa na cara dele. Ficou me olhando assustado. Me largou e saiu andando. Fui atrás e disse: ‘você tem noção do que acabou de fazer?’. Foi aí que ele cuspiu na minha cara. No dia seguinte, postou uma foto romântica nossa no Instagram, como se nada tivesse acontecido”.

A modelo revelou ainda que, na última briga, uma das agressões fez com que seu silicone estourasse. “Com o trauma, se criou uma cápsula em volta do silicone, que estourou. Não posso operar agora porque estou muito magra, abaixo do peso”.

Duda entregará à corte estado-unidense no dia 30 de maio um dossiê de mais de 400 páginas em que detalha de maneira ainda mais profunda essas agressões, incluindo fotografias e vídeos. Elas está sendo acompanhada por advogados do escritório de Eisner Gorin.