Iron Maiden leva megaprodução para o Rock in Rio e faz show épico

Com palco grandioso, o show do Iron Maiden no Rock in Rio passou pelos grandes hits da carreira da banda

  • Por Jovem Pan
  • 05/10/2019 11h09
LUCIANO BELFORD/AGÊNCIA O DIA/ESTADÃO CONTEÚDOO Iron Maiden tocou no Rock in Rio nesta sexta-feira (4)

Com uma megaprodução adaptada para os maiores palcos da Terra, o Iron Maiden pisou no Palco Mundo do Rock in Rio 2019, nesta sexta-feira (4), cercado de expectativas: a turnê Legacy of the Beast é a maior que a banda já fez, segundo os próprios músicos, e as razões ficaram claras durante o show.

Um avião plana pelo palco sobre a banda. Um monstro de três metros de altura sobe ao palco para uma luta corporal com o vocalista. O cenário se transforma em catedral, prisão, cemitério e até no próprio inferno. Uma cruz é empunhada para os céus. Um Ícaro imenso aparece, tentando empenhar sua eterna fuga de Creta.

De fisicalidade ativa e vigorosa, Bruce Dickinson passeou pelo repertório antigo do grupo britânico, mas o destaque do show é o cenário, digno de produção da Broadway mas numa escala monumental, pensado para plateias imensas. A turnê não divulga nenhum disco, mas sim o videogame no formato mobile de mesmo nome, lançado em 2017.

Mas Dickinson não faz o show sozinho: do movimento de Steve Harris (o único membro fundador da banda) de “atirar na plateia” com seu baixo, à guitarra voadora de Janick Gers, até às formações de ataque em que os quatro membros da cordas se postam, o engajamento com a plateia é constante.

Com uma carreira de impressionantes 39 álbuns, a banda lançou “The Book of Souls” (2015), elogiado pela crítica e amado pelo público. Mas nenhuma música datada de depois de 2006 entra no setlist, um verdadeiro Greatest Hits do Iron Maiden.

O show começa com “Aces High”, uma canção sobre a Batalha da Grã-Bretanha, de 1940, em que a Força Aérea Britânica defende o país de ataques nazistas. Para celebrar, a banda simplesmente faz voar sobre suas cabeças uma réplica gigante de um Spitfire, o avião de guerra britânico.

“Essa música é sobre liberdade, sobre o que significa lutar pela justiça”, diz um comunicativo Bruce Dickinson antes de “The Clansman” – canção sobre William Wallace, o herói da Guerra da Independência da Escócia. Ao fundo, no painel enorme, Eddie assume a identidade do “homem do clã” (apenas uma de suas múltiplas versões lá no fundo).

Em seguida, em versão “real”, o mascote surge no palco com três metros de altura, vestido de soldado britânico, e começa uma luta de espadas com o vocalista, enquanto o restante da banda estica uma versão de “The Trooper” (1983). O monstro é derrotado na batalha por “um tiro” de espingarda que tem uma bandeira do Brasil esticada sobre ela.

A peça-show prossegue com Dickinson vestindo capa e empunhando uma cruz durante “Sign of the Cross” (1995). Em seguida, o Ícaro gigante passa voando, em “The Flight of Icarus” (1983), apenas para o vocalista torrá-lo com um par de lança-chamas, como um Leonardo DiCaprio brilhante num filme de Tarantino, só que desta vez dirigido direto do inferno. O imenso objeto de pedra-falsa cai, adequadamente, ao fundo do palco.

Em “Number of the Beast”, um espetáculo pirotécnico recebe uma caveira gigante com o monstro do Maiden. É a última canção do set antes do bis, que tem “The Evil That Men Do” (1988), quando a banda entrega um momento mais puramente musical, seguida de “Hallowed Be Thy Name” (1993), onde Dickinson volta a interpretar e faz o prisioneiro condenado à forca. Depois de duas horas, o espetáculo termina com “Run to the Hills” (1982), uma das mais antigas do set, com seus riffs entoados por um coro de 100 mil pessoas.

*Com Estadão Conteúdo