Tenor Plácido Domingo, acusado de assédio sexual, pede perdão às vítimas

‘Aceito total responsabilidade por minhas ações’, disse Plácido Domingo

  • Por Jovem Pan
  • 25/02/2020 12h36
EFE/ Francisco GuascoPlácido Domingo é acusado de assédio sexual

O tenor espanhol Plácido Domingo disse nesta terça-feira (25) aceitar “toda a responsabilidade” por suas ações, após, segundo ele, vários meses de reflexão, além de pedir desculpas pela “pela dor causada” a todas as mulheres que o acusaram de abuso sexual antes de sua renúncia como diretor-geral da Ópera de Los Angeles.

“Nos últimos meses, demorei algum tempo para refletir sobre as acusações que várias de minhas colegas fizeram contra mim. Eu respeito que essas mulheres finalmente se sentiram confortáveis o suficiente para falar e quero que elas saibam que realmente me arrependo da dor que as causei. Aceito total responsabilidade por minhas ações”, disse o artista, em comunicado.

Domingo, que inicialmente negou as acusações, disse que agora entende “que algumas mulheres podem ter medo de se expressar honestamente devido à preocupação de que suas carreiras sejam afetadas negativamente”.

“Embora essa nunca tenha sido minha intenção, ninguém deve se sentir assim”, disse o tenor, minutos após vários meios de comunicação americanos publicarem uma investigação interna conduzida pelo sindicato dos artistas musicais dos Estados Unidos (American Guild of Musical Artists) teria considerado Domingo culpado de mais de uma dúzia de casos de abuso sexual.

Em agosto, quando foram revelados os primeiros testemunhos de mulheres que haviam trabalhado com Domingo e alegaram ter sofrido abuso sexual, o artista disse acreditar “sempre que todas as suas interações e relacionamentos com as mulheres eram bem-vindas e consensuais”.

No entanto, depois de ter renunciado ao cargo de diretor-geral da Ópera de Los Angeles, Plácido Domingo disse estar “comprometido” com uma “mudança positiva na indústria da ópera, para que ninguém mais tenha a mesma experiência”.

“É meu desejo fervoroso que o resultado seja um local de trabalho mais seguro para todos na indústria da ópera, e espero que meu exemplo no futuro incentive outras pessoas a segui-lo”, afirmou.

A investigação do sindicato dos artistas foi, juntamente com a iniciada na Ópera de Los Angeles, as duas primeiras que começaram depois que cerca de 20 mulheres acusaram Domingo de abuso sexual.

*Com EFE